Em busca do pensamento livre.
Domingo, 1 de Novembro de 2009
boina.jpeg

 

 

(Este texto foi escrito em Junho de 2004. Resolvi reescrevê-lo e reeditá-lo. Talvez se percebam as razões).

 

 

 

Passei uma tarde encantadora. Foi um descanso merecido para um corpo que vai aturando maçaduras diversas. O dia solarengo ajudou, a cadeira de jardim encorpou-se de vez e as leituras estavam a condizer. Se a perfeição existe eu estive lá perto. Foram momentos de um prazer indizível. Argumentei-me em cadeia e fiz sínteses que me elevaram as motivações. Tenho tardes assim. Mas hoje, uma das leituras fez-me viajar para muito longe das letras que os meus olhos percorriam. Até vos vou citar o parágrafo, não agora, mas talvez só na segunda parte desta história. Fiz uma visita à minha memória. Um dos meus exercícios predilectos, pois não obedece a muitas formalidades nem aos necessários - para outros tipos de visitas, é claro - pormenores protocolares. A meu gosto. Entro por ali adentro, pesquiso à minha vontade e o tempo que eu quiser, realço o que mais me interessa, embora, e vezes sem conta, tropece em acontecimentos menos agradáveis.

Foi hoje o caso. Lembrei-me do meu serviço militar. Vinte e poucos anos, muito poucos mesmo: tinha zero tiros no meu currículo. De uma hora para a outra rapam-me os caracóis, enchem-me de fardas e de sei lá mais o quê e dizem-me: vais ser comando. A honra suprema de um jovem português. Chamavam-me de Prudêncio, o meu último nome, coisa que até aí me parecia exclusivo do meu pai. Fui obrigado a fazer uma tropa de voluntários com detalhes engraçados: perguntavam-me:  - és voluntário?; respondia: - não. Mas nos papéis punham a cruz no sim e quando mais refilasse pior: aprendi rápido e sentenciei:  - se tem de ser, vamos a isso.

Depois foi aquilo que se sabe. Mesmo com uma estrela aos ombros, já que ali éramos todos iguais, valha-lhes isso, –a dureza e a brutalidade diárias sucederam-se até o horror se instalar. Lembro-me, entre tantas outras coisas horrendas, de saborear um naco de pão duro barrado com pelos da barba e sangue. Ou então, de me deitar em terrenos cravejados de balas que tinham acabado de cair. Violência acumulada em meses e meses sem fim. Valeu-me a ausência da guerra. Não sei o que faria dos “inimigos”.

Como eu quero compreender os jovens que lutam no Iraque. Humanos que são, jamais quererão ouvir o nome do palco do único e infeliz dos teatros: o das operações militares.

Da parte que me toca, nunca mais "perdoarei", nem à Amadora nem a Santa Margarida, pelo facto de terem sido os solos dos meus horrores.


publicado por paulo prudêncio às 18:10 | link do post | comentar | partilhar

6 comentários:
De anónimo a 19 de Junho de 2004 às 17:01
O primeiro parágrafo é uma hipérbole magistral: a tarde perfeita de um corpo já com "maçaduras", o "encorpar da cadeira de jardim", o argumento da horizontalidade. Dessa tarde prazeirenta o narrador é conduzido pela memória a um tempo em que a perfeição não estava ainda na cadeira de jardim. É um pouco do tempo perdido da juventude, essoutro dele próprio que foi o jovem comando. Tudo não passou dum faiscar da memória que sobrepõe o sofrimento passado ao aprazível presente da idade madura. Falta-nos mais dessa memória para compreender o discurso: a descrição, o detalhe e a crítica do sofrimento mais ou menos inútil do treino dos comandos.Luis Filipe Redes
</a>
(mailto:luis.filipe.redes@netvisao.pt)


De Paulo G. T. Prudêncio a 1 de Junho de 2008 às 18:31
Obrigado Luís, mesmo que 4 anos depois... Abraço.


De pronúncia do norte a 1 de Junho de 2008 às 20:47

Essa nostalgia toda deve-se ao dia da criança? Ou à falta delas em casa?
Texto bonito.



De Paulo G. T. Prudêncio a 1 de Junho de 2008 às 21:42
Obrigado. Este texto foi escrito em 2004 e já não me lembro do estado de espírito. Mas achei piada. Obrigado de novo. Abraço.


De Maria Simas. a 1 de Novembro de 2009 às 19:34
O primeiro parágrafo está brilhante. O texto é comovente.


De Sérgio Ramos. a 2 de Novembro de 2009 às 00:39
Ganda texto Paulo. Ao ler isto "Foi um descanso merecido para um corpo que vai aturando maçaduras diversas. O dia solarengo ajudou, a cadeira de jardim encorpou-se de vez e as leituras estavam a condizer." vi o momento.


comentar post

Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Muito bom.
https://blog-da-anal.blogspot.com/
Depois há coisas destas...https://www.blogger.com/...
É um tema que exige muitos caracteres. Darei a min...
Ora nem mais. Mas refiro-me apenas à audição de pr...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676