Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

marcha do adeus

31.05.09

 

 

 

Depois das três históricas manifestações do ano de 2008 (a da indignação a 8 de Março, a da razão a 8 de Novembro e a da lucidez a 15 de Novembro) e da "manifestação da generosidade" em frente ao Palácio de Belém, a 24 de Janeiro de 2009, estivemos ontem (30 de Maio de 2009), em Lisboa, em mais uma não menos histórica manifestação de professores. A partida para a "marcha do adeus" decorreu a uma hora mais tardia para resguardo de uns cansaços passageiros. O calor apertava e o estacionamento aconteceu perto do Marquês de Pombal. O primeiro contacto, por volta das 15h00, deixou-nos a melhor das impressões. Procurámos a zona intermédia da Avenida da Liberdade de modo a nos protegermos debaixo das árvores e para integrarmos a manifestação com alguma poupança de esforços.

 

 

 

 Os contactos com os bravos de Santo Onofre começaram

e não resisti a voltar ao Marquês para registar

o início da descida triunfal do agrupamento

de escolas onde me orgulho de ser professor.

 

 

  

O primeiro mote que me lembro

de ter registado é bastante elucidativo.

 

 

 O grande Teodoro surpreendia com o seu som sobre rodas.

 

 

 

E tornava-se um imprescindível oxigénio para os manifestantes.

 

 

  

Não consegui acompanhar Santo Onofre durante todo o percurso.

Mas sei que, e apesar da tarde tão abrasiva,

as onofrinas e os onofrinos iam de

cabeça bem levantada.

 

 

 Santo Onofre entra na Avenida da Liberdade e os primeiros

aplausos fazem-se sentir.

 

 

  

Santo Onofre inicia a descida. Organizam-se

as hostes de quem sabe ter paciência para lutar

e de quem acredita que a razão tem muita força

e que acaba, quase sempre, claro, por triunfar.

 

 

 As escolas das Caldas da Rainha estavam muito bem representadas.


 

 

 

Mesmo com uma temperatura de 34º centígrados

os professores enchiam a Avenida da Liberdade

e vinham de todas as zonas do país.

 

 

 

 Enquanto os Restauradores enchiam...


 

 

 

   

... milhares de professores esperavam a sua

vez no Marquês de Pombal para

darem voz à "marcha do adeus".

 

  

 

 

Santo Onofre deixava bem vincado o seu desejo mais local

pela mão de dois professores de eleição. Gerações diferentes

que nos transmitem uma certeza: a dignidade e o orgulho de

se ser professor são ideias com futuro.

 

  

Foi um dia inesquecível e a festa que se esperava. Encontrei colegas que saíram de autocarro do norte do país ainda bem cedo, fizeram a descida da Avenida da Liberdade debaixo da torreira do sol e voltaram ao Marquês para um regresso a casa que só se efectivou noite dentro. Já não eram crianças nenhumas, estavam exaustos com o final do ano lectivo - e com os anos consecutivos da mais completa doideira nas políticas educativas - deixaram a família e perderam mais um dia de justo descanso. Mas mesmo assim ainda diziam com uma firme determinação: "voltaremos as vezes que forem necessárias". É obra e um renovar da esperança. E não eram tão poucos assim os professores que se manifestaram: 80 mil para a comunicação social e sindicatos e 55 mil para a polícia que é sempre mais comedida nos números.

 

Antes do regresso a casa jantámos com um grupo de quarenta inesquecíveis resistentes.

 

Valeu a pena o esforço. A luta já vai longa mas é justa. A história da nossa democracia encarregar-se-á de reconhecer o contributo decisivo dos professores portugueses na defesa da escola pública de qualidade para todos. Vim com uma única certeza: os professores não desistem.

17 comentários

Comentar post