Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

gestão de números

28.04.09

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

 

Polícias têm de prender para cumprir números

 

"Várias esquadras do país estão a impor "números-base" de detenções a fazer até ao fim do ano. Os polícias queixam-se de que assim só trabalham para as estatísticas. A Direcção da PSP prefere falar em prevenção da criminalidade.

"Maior actividade operacional. Objectivo: 250 detenções". As instruções são claras e constam num um papel afixado na 2ª Esquadra de Investigação Criminal da PSP do Porto (Rua da Boavista). O documento, datado de Fevereiro, estabelece as metas a cumprir nos restantes dez meses do ano."

 

 

Esta coisa lembra-me tempos recentes quando os professores começaram a desmontar o monstro burocrático que era o modelo de avaliação que lhes queriam impor. E não foi nada fácil: é bom recordar que, nessa altura, as teses neoliberais venciam de modo avassalador. Mas tudo isso ruiu. Mas enquanto na pátria de Friedman se está a mudar com convicção, por aqui continua-se a usar a mesma fórmula: ou não se conhece outra cartilha ou é uma distracção que se pagará muito cara. 

Com as ideias sobre os órgãos gestão passou-se o mesmo. Os neoliberais convenceram todo o mundo que eficiência e eficácia eram sinónimo de modelo unipessoal. Tudo o que era colegial gerava desperdício e lideranças fracas; e o modernaço partido português que sustenta o actual governo português cavalgou a onda com toda a força de que foi capaz. 

Basta pensar um pouco na tragédia que se anuncia. Sistemas de gestão cada vez mais napoleónicos - gestores que alargam o seu espaço de intervenção, a exemplo dos amontoados, vulgo agrupamentos, de escolas - associados a modelos de avaliação burocráticos, e de hierarquia rígida, e exclusivos no domínio da responsabilidade individual e grupal.