Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

gestão de números

28.04.09

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

 

Polícias têm de prender para cumprir números

 

"Várias esquadras do país estão a impor "números-base" de detenções a fazer até ao fim do ano. Os polícias queixam-se de que assim só trabalham para as estatísticas. A Direcção da PSP prefere falar em prevenção da criminalidade.

"Maior actividade operacional. Objectivo: 250 detenções". As instruções são claras e constam num um papel afixado na 2ª Esquadra de Investigação Criminal da PSP do Porto (Rua da Boavista). O documento, datado de Fevereiro, estabelece as metas a cumprir nos restantes dez meses do ano."

 

 

Esta coisa lembra-me tempos recentes quando os professores começaram a desmontar o monstro burocrático que era o modelo de avaliação que lhes queriam impor. E não foi nada fácil: é bom recordar que, nessa altura, as teses neoliberais venciam de modo avassalador. Mas tudo isso ruiu. Mas enquanto na pátria de Friedman se está a mudar com convicção, por aqui continua-se a usar a mesma fórmula: ou não se conhece outra cartilha ou é uma distracção que se pagará muito cara. 

Com as ideias sobre os órgãos gestão passou-se o mesmo. Os neoliberais convenceram todo o mundo que eficiência e eficácia eram sinónimo de modelo unipessoal. Tudo o que era colegial gerava desperdício e lideranças fracas; e o modernaço partido português que sustenta o actual governo português cavalgou a onda com toda a força de que foi capaz. 

Basta pensar um pouco na tragédia que se anuncia. Sistemas de gestão cada vez mais napoleónicos - gestores que alargam o seu espaço de intervenção, a exemplo dos amontoados, vulgo agrupamentos, de escolas - associados a modelos de avaliação burocráticos, e de hierarquia rígida, e exclusivos no domínio da responsabilidade individual e grupal.