Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

tácticas para um final feliz (reedição)

17.06.09

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Aprecio o contraditório e muitas vezes tomei como minhas decisões com as quais não concordava mas que eram subscritas pela maioria; e isso aconteceu no exercício de direcção de órgãos colegiais. Nunca me dei mal com essa especificidade da democracia, bem pelo contrário: verifiquei sempre as vantagens técnicas e percebi da importância desse fundamento cooperativo na afirmação da liderança.

 

Por outro lado não sou muito dado às tácticas a que obedece a condução dos movimentos de massas. Tenho uma conhecida dificuldade em opinar sobre datas de manifestações ou estilos de greve. Normalmente leio as diversas propostas e espero pelas acções concretas. Analiso os resultados e continuo a tentar desconstruir as políticas com que estou em desacordo.

 

Vem isto a propósito de uma conversa que tivemos na noite do 25 de Abril de 2009 com uma amiga resistente. Dizia ela, e a propósito da indignidade da avaliação de professores se resumir à entrega de uma ficha de autoavaliação do ME associada a uma minuta de desacordo escrita pela plataforma sindical, que este método de antanho poderia ser devastador na opinião pública. Seja lá o que se pense do conceito de opinião pública (e uma delas pode inserir-se na imagem que escolhi para esta entrada), a reflexão da nossa amiga pode ter esse efeito e ser favorável à luta dos professores. Afinal, toda a propalada e rigorosa avaliação, acabava num processo fácil de ridicularizar; seria o desfazer público do monstro burocrático que tanta tecla nos consumiu.

 

E fiquei a pensar de tal modo nessa reflexão que até desenhei um verdadeiro final feliz; abalanço-me então para uma meta-solução.

 

O ME agarrava naquela famigerada solução informática (que para além dos dados biográficos dos professores acrescentava um campo para os objectivos individuais), metia-lhe uns tantos campos da ficha de autoavaliação e inseria os dados num ápice recorrendo ao comando "igual para todos".

 

A plataforma sindical também dava o seu ar moderno e colocava a minuta de protesto num qualquer sítio da internet com a menção "igual para todos".

 

Os órgãos executivos das escolas, principalmente os mais mangas de alpaca, fotocopiavam os objectivos individuais "iguais para todos" ou, e nos casos mais expeditos, introduziam nas suas bases de dados de gestão escolar uma solução semelhante à proposta para os serviços do ME. 

 

Digam lá que não era uma coisa do outro mundo? Tudo muito pós-moderno e uma verdadeira homenagem ao plano tecnológico para a Educação (neste caso sem recurso a novo hardware mas com algum software, e valha-nos isso), e sem a mínima participação dos professores. Seria o canto de sereia dos burocratas que deste modo se posicionavam bem para os processos eleitorais que se avizinham e garantiam mais uma legislatura sem porem os pés numa qualquer sala de aula.

 

Ah, e os professores?

 

Bem, esses entretinham-se a ensinar e a dirigir as escolas.

 

 

7 comentários

Comentar post