Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

rss da educação (11)

16.03.09

(encontrei esta imagem aqui)

 

Professores de Português pedem mais horas para a disciplina e desdobramento de turmas

 

Bem me parecia que os planos especiais para algumas disciplinas acabariam numa qualquer coisa do tipo "caixa de pandora". Como nunca conseguimos resolver três dos principais constrangimentos do nosso sistema escolar - mais de 20 alunos por turma, escolas a funcionar em regime de desdobramento e sobrelotação e excesso de disciplinas em cada ano de escolaridade, o que resulta, em algumas delas, numa carga curricular ridícula (para alem das polémicas horas gastas nas áreas curriculares não disciplinares) - passamos às justas excepções e o bloco da organização escolar que se dane.

 

Portugal vai a Espanha doutorar professores 

 

Somos um país pequeno, não temos uma densidade populacional elevada, mas não conseguimos construir uma rede de formação contínua moderna e democrática. No domínio da formação contínua temos o seguinte: o ensino superior público não funciona em rede e tem um sistema de ofertas organizado em regime de centralismo democrático; o ensino privado está, na generalidade, descredibilizado. É até engraçado, para não escrever outra coisa, a situação da iniciativa privada no nosso país: é um sector muito falado quando se critica o sector público, mas depois não corresponde aos elogios creditados: na educação é o que se sabe, na saúde cobra caro e só faz o mais fácil, na justiça consegue impedir que esta funcione e na economia e finanças leva o país à falência com golpadas e chapeladas de arrepiar.

 

Lurdes Rodrigues: "Sindicatos fazem chantagem com pais"

 

Sem remédio. A Educação passa por um período negro mas que terá um qualquer epílogo.

 

Professora agredida por aluna em Aveiro já regressou à escola

 

Notícias destas são frequentes mas não se pode aceitar a sua vulgarização; estamos à espera de quê? E não adianta desresponsabilizar quem quer que seja e importa reforçar sempre o seguinte: não há escola inclusiva numa sociedade exclusiva e ausente.