Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

A Escola na Ordem Política Moderna

09.05.20

Captura de ecrã 2020-05-09, às 16.14.23.png

Se "a igualdade só pode ser assegurada mediante a restrição da liberdade dos mais abastados(...) e é possível analisar toda a história política do mundo desde 1789 como uma série de tentativas para reconciliar esta contradição", é fundamental acrescentar a ideia de equidade propondo uma igualdade justa para indivíduos livres. E, com este hiato sem escola presencial, pode cair-se na tentação de pensar que uma "nova" escola promoverá a equidade se priorizar apenas a ligação de todos os indivíduos à internet. Seria a "eliminação", sem a resolver, da escola pré-covid-19, o que dificultaria a aspiração equitativa depois da pandemia.

É que, e antes de mais, importa nunca esquecer que a escola será sempre um espelho social da sociedade (que voltará a enfrentar problemas graves). Por outro lado, tomemos como exemplo a "disputa" entre os livros em papel e em digital. Os primeiros afirmaram-se porque não têm a tecnologia como intermediária distractiva que reduz os níveis de concentração e abstracção. No mesmo domínio, esta vaga digital pode provocar, para alunos e professores, uma espécie de "nem querem ouvir falar disso, que ainda agravou o burnout dos segundos". E acrescente-se que essa saturação não preocuparia as gigantes tecnológicas que asseguram na educação uma crescente ligação de serviços digitais e não fazem da produção de conteúdos escolares o "coração do negócio".

Mas é ainda importante recordar que a escola na ordem política moderna é, e como se reforça nesta tentativa de regresso a 18 de Maio, o espaço das turmas, e das escolas, numerosas, dos horários ao minuto, da falta de professores e de outros profissionais, das carreiras assentes na avaliação kafkiana, da hiperburocracia e da mitigação da democracia e da proximidade. Se com a “quarta revolução industrial” os resultados na sociedade oscilarão entre o muito positivo e o caótico, com consequências no imperativo da equidade, há eixos sustentados em relação à escola do futuro – currículos, ofertas e programas de orientação profissional -, com uma inequívoca exigência para a dimensão civilizada, democrática, presencial e desburocratizada.