Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Melhor Filme do Século XXI

31.07.19

 

É impossível uma classificação assim ("Mulholland Drive, de David Lynch, foi escolhido como o melhor filme do século XXI por uma votação, promovida pela BBC Culture, de 177 críticos de cinema de todo o mundo (de todos os continentes menos a Antárctida, como sublinham os editores da BBC que organizaram o inquérito juntando 36 países)"), mas Mulholland Drive (2001) é genial. Vi-o a primeira vez no King, em Lisboa. Fiquei fascinado. Lembro-me que viemos a viagem toda a discutir a complexidade do filme com uns amigos. É uma obra do nível de "Eyes wide shut”", de Stanley Kubrick; e não só por serem temas semelhantes. Aliás, o filme de Kubrick ficou prejudicado com a morte do realizador com a montagem por concluir.

 

O trailer de Mulholland Drive.

 

 

Golas

30.07.19

golas-cachecol-de-l-cachegola-tric-2-voltas-muitas

 

O "caso golas" parece ilustrar a tão falada captura do estado pelos aparelhos. Fica uma certeza: só a mediatização mete pedras numa qualquer engrenagem. O poder central, e as suas ramificações, “obriga” uma maioria governativa a ocupar cerca de 4.000 empregos (dito por um especialista) que efectivamente governam a generalidade dos ministérios enquanto ministros e secretários de estado, também segundo especialistas, palmilham quilómetros em acções de representação muito enraizadas (e tão imperativas e frequentes como desaconselhadas para uma dieta saudável). Há, dizem os entendidos, uma legião de adjuntos, assessores, chefes de gabinete e por aí fora, que decide diariamente e que, em parte, não é escolhida por titulares de pasta com menos influência na máquina. A protecção civil é, há muito e ainda segundo especialistas, um espelho. É só, e segundo quem domina a matéria, imaginar a lógica e os volumes financeiros, para estes patamares de necessidade, da inaudita inserção do ano e mês nas matrículas automóveis até à mudança de cor das placas que indicam a saída nos mais diversos locais públicos e passando pelos negócios no mundo da educação; é isso e as golas de merchandising.

A Direita e os Professores

29.07.19

Os mais diversos analistas e comentadores políticos não perdem uma oportunidade para “culpar os professores” pelo desaire eleitoral do PSD e CDS sempre com uma mensagem subliminar: os portugueses não apoiam as causas dos professores. Como não tenho essa capacidade de adivinhação, remeto-me para a história: os portugueses sabem que a direita nunca faria diferente nas causas dos professores e penalizaram, e penalizam, o oportunismo de insinuar o contrário.

Das Revoluções (das escolares também)

28.07.19

 

Sociólogos da educação desenharam, na primeira década do milénio, uma revolução nas escolas portuguesas inspirada numa estrutura vertical ao jeito da organização militar. A aplicação dessas teses noutras organizações do mundo do trabalho provocou convulsões inimagináveis que resultaram em precariedade e burnout e noutros fenómenos sociais, e até psiquiátricos, graves. Está documentado. Mas os revolucionários escolares teimam em não assumir o desaire. É estranho; e é pena porque se evitavam tantos problemas de saúde pública. Aliás, é também surpreendente a teimosia revolucionária porque é frequente a literatura da sociologia citar Franz Kafka: “Cada revolução evapora-se deixando atrás de si apenas o depósito de uma nova burocracia.”

Os Imutáveis

27.07.19

 

Nem os estudos associados ao confronto com a realidade demovem a terceira via que chefiou a educação nos governos de Sócrates. Essa Nova Política de Gestão Pública datou-se com um péssimo lastro histórico. Os seus efeitos ainda geram uma eclosão enevoada porque os destinatários estão exauridos de tanta canseira ("(...)Apenas a fachada está intacta e já não há estrutura. É esta a imagem usada para explicar alguém que se encontra em 'burnout'. Alguém que está para além de exausto, que já deu mais do que podia dar, embora por fora se mostre intocável. “Tal como o nome indica, burnout é estar todo queimado por dentro”, explica em entrevista ao Expresso Nídia Zózimo, médica e coordenadora do Gabinete Nacional de Apoio ao Médico(...)") e anestesiados com a disciplina orçamental (como se não houvesse vida para além disso). A próxima legislatura, e até o que sobra desta, será efervescente se a lógica que suportou a actual maioria não se impuser corporizando os princípios da democracia. Aplicada em geral, a terceira via desgasta o centro político e “empurra” os votantes para os extremos. Se o imutáveis prevalecerem, os extremos alargar-se-ão no fim de uma próxima legislatura ou na presença de uma crise semelhante à de 2008. Aliás, e como exemplo, o além da troica de Passos e Portas foi um primeiro exercício que explicou a possibilidade iliberal entre nós (e que, e afinal, já tinha começado antes com outros contornos).

Mário Silva e a "Ignorância Aliada à Opacidade e à Estupidez Burocrática"

26.07.19

 

Texto de Mário Silva enviado por email devidamente identificado.

 

Ignorância aliada à opacidade e à estupidez burocrática

"A nota informativa enviada pela DGAE em junho de 2019 para esclarecer a operacionalização da implementação da recuperação do tempo de serviço, está a provocar interpretações disparatadas em algumas escolas. Uma delas que me foi dado a conhecer, está relacionado com o nº1 da nota informativa que diz:

 “os docentes que progridem ao longo do ano de 2019 e até 31 de julho de 2020 em virtude da recuperação do tempo de serviço, em qualquer uma das suas modalidades, e só estes, e que não tenham ainda os restantes requisitos do artigo 37.º do ECD, podem:

1. Mobilizar a última avaliação do desempenho, ao abrigo do n.º 7 do artigo 40.º do ECD, desde que a mesma corresponda à efetiva avaliação de 2007/2009, 2009/2011 ou pelo DR n.º 26/2012, de 21 de fevereiro, ou outra legislação aplicável. O suprimento da avaliação atribuído pela Lei do Orçamento de Estado para 2018 não é aplicável.”

Neste número, a mobilização é feita AO ABRIGO N.º 7 DO ARTIGO 40.º DO ECD e várias pessoas (secretarias e direções) não leram o que significa o n.º 7 do artigo 40.º do ECD:

“6- Os docentes que exerçam cargos ou funções cuja enquadramento normativo ou estatuto salvaguarde o direito de progressão na carreira de origem e não tenham funções lectivas distribuídas são avaliados, para efeitos do artigo 37.º, pela menção qualitativa que lhe tiver sido atribuída na última avaliação do desempenho.

7 — O disposto no número anterior aplica -se aos docentes que permaneçam em situação de ausência ao serviço equiparada a prestação efectiva de trabalho que inviabilize a verificação do requisito de tempo mínimo para avaliação do desempenho.”

Portanto, não engloba todos os professores!...

”O suprimento da avaliação atribuído pela Lei do Orçamento de Estado para 2018” está relacionado com os docentes que progrediam em 2018 e não tiveram avaliação entre 2011-2017.

Várias escolas ao lerem o ponto 2 da nota informativa- “Caso a última avaliação corresponda a uma menção de Muito Bom/Excelente, a mesma não pode bonificar NOVAMENTE, nos termos do artigo 48.º do ECD, nem isenta de vaga para acesso ao 5.º / 7.º escalão.”- ficam na dúvida se este número é independente do nº1, porque a sintaxe da nota informativa não é explicita. Parece que a maioria está a interpretar como sendo independente pelo que, nesse caso, este número significa que, qualquer professor que foi avaliado sob um regime normativo diferente do DR 26/2012, pode usar uma avaliação que tenha feito e que não tenha tido efeitos jurídicos mas que se for Muito Bom ou Excelente não pode usufruir da bonificação de tempo de serviço nem da isenção de vaga!...  
Isto tem como consequência negar a professores que tiveram avaliação em 2009-2011 e que nunca teve efeitos jurídicos, que possam usar essa avaliação para efeitos de progressão. Ou seja, se um docente que não está ao abrigo n.º 7 do artigo 40.º do ECD e que foi avaliado em 2009-2011 com Muito Bom, estão a informar que essa avaliação não tem efeitos nem na bonificação nem na isenção de vaga porque não foi feita ao abrigo do DR 26/2012. Então, esse professor tem de se sujeitar a nova avaliação nos termos do DR 26/2012; se por acaso tiver classificação inferior, é que pode requerer a última avaliação de desempenho feita antes de 2012. É esta a estupidez: obrigar as escolas a uma avaliação redundante porque se a mesma for inferior é óbvio que será requerida a anterior. Não se dá ao docente a opção de querer uma nova avaliação ou manter aquela que ainda não teve efeitos na progressão, libertando a escola de mais um processo burocrático.
Mas parece que a coisa ainda não fica por aqui: a DGAE na sua linguagem cifrada, dá indicação explicita de que se um docente requerer uma classificação de mérito de um ciclo avaliativo anterior, usufrui da bonificação de tempo de serviço mas não dá indicação se usufrui de isenção de vaga para o 5º ou 7º escalão, o que é algo kafkiano...! 
 
Mais uma vez, a negligência da DGAE com a sua falta de clareza gramatical em informar, em conjunto com a ambiguidade de algumas secretarias e direções em interpretar o português da nota informativa, está a colocar ‘batata quente’ nas escolas e a levar que muitos professores sejam  ainda mais prejudicados."
Mário Silva

"Fabulário Amoral de Fauna e Flora"

25.07.19

 

186.png

É uma interessante obra de pequenos contos. Côta Seixas criou um fabulário amoral, de Fauna e Flora, inesperado, por vezes desconcertante, e sempre junto à margem. Os depurados símbolos, e as metáforas, levam-nos ao lugar da solidão e da liberdade. Oitenta páginas que exigem leitura repetida. Só não se deglutem num fôlego, porque cada conto acompanha-se de um significativo desenho de Tiago Seixas. Parar, respirar, contemplar e seguir. Passado e futuro intermediados pelo lápis e pela actualidade dilacerada em "O Erro Original" e na sua despedida: "(...)Na tarde mediterrânica arde um grito de sangue".

 

Conversadores?! :)

25.07.19

Pág. 1/5