Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

os professores e o cepticismo

25.06.18

 

 

 

 

O cepticismo, para quem já tem uma vida com alguma longevidade, é um sentimento egoísta em relação aos mais jovens? Percebe-se a resposta positiva, mas é refutável. Ouvi Pacheco Pereira dizer mais ou menos assim sobre o cepticismo relacionado com o estado da europa e do mundo: "Os alicerces da Europa foram minados pela corrupção. De cima para baixo e de baixo para cima. Basta olharmos à nossa volta." Há, portanto, fundamentos para o cepticismo. E se aplicarmos a interrogação inicial ao estado vigente na educação e se a longevidade dos professores é um dos factos que mais se evidencia, o cepticismo não pode ser um modo egoísta em relação aos jovens para que a esperança não ocupe o lugar dos mitos. Mas isso resolve-se, ou atenua-se, com factos e o cepticismo será um modo construtivo.

mitos-1254x640

 

 

Opinião de Mário Silva sobre os exames

25.06.18

 

 

 

Contributo de Mário Silva.

 

"O próximo ataque do ME à reputação dos docentes.

 

Através do ‘Iavé’, o ME vai atacar a reputação dos professores no próximo mês de julho. Como? Quem acompanha os exames nacionais, detetou que houve alterações na estrutura deles e nas cotações (aumentaram nas questões de escolha múltipla). Estas alterações têm potencial para piorar as classificações dos exames e obviamente que isso será usado para atacar os professores com a falácia ‘estão-a-ver-esta-gente-a-reivindicar-que-lhes-paguem-as-progressões-e-afinal-os resultados-foram-piores’.

O ME que se arvora o protetor dos ‘coitadinhos-dos-estudantes-que-são-prejudicados-pelos-professores’, depois insidiosamente promove ações que prejudicam os mesmos estudantes nas suas médias de classificação final, usando subrepticiamente como ‘bode expiatório’ a classe docente; nem Maquiavel conseguia ser mais ignóbil…

“Os alunos concordaram que a derradeira questão da prova era a mais complicada e estavam também alinhados no principal assunto de quase todas as conversas: a estrutura do exame deste ano. Ao contrário do que vinha sendo habitual nos anos anteriores, o exame nacional de Matemática A foi dividido em dois cadernos.

«Nós somos sempre as cobaias do Iave», queixa-se Ana, já fora da escola. «Se quisesse voltar atrás a alguma das perguntas do 1.º caderno, não podia», explica.

 

Jornal Público (25/06/2018)

gorongosa, para uma teoria da paz restaurada

25.06.18

 
 
 
Reedição no dia da comemoração
do 43º aniversário da independência
da República Popular de Moçambique.
 
 
 
(1ª edição em 20 de Fevereiro de 2008)

 
 
Aproximava-se a independência de Moçambique quando fiz uma visita que guardo em lugar seguro.
 
Integrei uma selecção que representava a futura nação. Percorremos as principais cidades e realizámos jogos de basquetebol integrados nos festejos. O dia 25 de Junho de 1975 foi eleito para o momento mais esperado: descerrar a bandeira portuguesa e substitui-la pela moçambicana. A delegação era chefiada por um guerrilheiro da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), o generoso Cariquirique.
 
O 25 de Junho coincidiu com o intervalo da digressão. Três dias de descanso e contemplação na Gorongosa, no centro do país: uma extensa e deslumbrante savana, onde se convivia com animais que povoavam os nossos imaginários.
 
Cariquirique estava preparado.
 
À meia-noite em ponto trocou os galhardetes, discursou - falou-nos num Moçambique livre e multirracial, usando como metáfora uma sopa de legumes -, e deu-nos a ouvir pela rádio, apenas a letra teve direito a conhecimento prévio, o hino da Nação. Cantámos e festejámos com habitantes da região, tocadores de tambor ao melhor ritmo moçambicano, numa cerimónia libertadora e em que fomos voluntários e felizes convidados. Estávamos ali de alma e coração. O sol nasceu e para todos: nós vimos.
 
Em virtude da guerra civil que estalou no país, a Gorongosa foi palco dos desmandos guerreiros dos humanos. Foi flagelada pela cobiça dos traficantes de peles e marfins, e de toda a espécie de adereços de animais selvagens que deliciavam alguns consumidores dos lados mais requintados que a inteligência humana conseguiu arquitectar.

A Gorongosa foi dizimada.
 
Recupera, agora, os seus habitantes naturais. Na savana também se combate para viver. Os animais são destituídos dos melhores atributos da nobre ciência humana, mas revelam uma qualidade nada desprezível: têm muita paciência.
 
Encontrei um vídeo espantoso que até nem é muito do meu género e apetite. Mas merece que o veja; suposição minha, claro. São quase oito minutos e só no final é que deve tirar conclusões. Pode dizer-se assim: 
 
Gorongosa, para uma teoria da paz restaurada.
 
Ora clique (dez anos depois, perdeu-se a ligação ao vídeo no youtube).