Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

Dos apagões mediáticos

31.10.17

 

 

 

 

Parece que os "assaltantes de Tancos devolveram uma caixa a mais". É risível, realmente. Fiz "oito posts sobre Tancos" e ponto final. Veremos o que sentencia a investigação em curso (?). Lembrei-me disto por causa das agendas mediáticas. Os "assaltantes" de Tancos continuam em primeira página e duas reportagens recentes, "O cartel de fogo" (ontem) e os "Lesados do BES" (há uns três dias), desapareceram.

Não vi a primeira, mas quem viu contou-me coisas intrigantes que vão dos tais "helicópteros Kamov que não voam" - com auditorias externas sem mácula e que até peças enferrujadas e presas por arames eram "invisíveis" - a contratos ruinosos para o Estado. Vi a segunda. Impressionou-me um depositante que ficou a zeros nas poupanças de uma vida. Sublinhou que, ""no dia anterior à queda do BES", o PR da altura recomendou o banco e uma auditoria externa atribuiu a pontuação máxima nos tais testes de stress".

Estamos, paulatinamente, a criar um caldo propício à demagogia. A credibilidade da justiça é o pilar fundamental da democracia, embora não se deva confundir auditores externos com MP e PGR. Como já se observou recentemente, quando há meios as investigações são conclusivas e espera-se que o caso dos incêncios tenha desenvolvimentos semelhantes ao do BES e da PT.

"Mais 600 milhões para pagar a professores", diz o spin

30.10.17

 

 

 

Consta por aí, e não vou procurar a fonte, que descongelar a carreira dos professores, incluindo os últimos sete anos e actualizando os salários, exigiria mais 600 milhões de euros ao OE2018 que é o equivalente ao descongelamento das carreiras de toda a função pública em 2018 e 2019. Aliás, também consta que a dívida aos professores já vai em 5 mil e 400 milhões de euros. Pois bem. Que sejam esses os números. E o que é que os professores têm a ver com isso, a não ser o facto de terem contribuído como ninguém para a redução do défice e terem sido alvo do maior despedimento colectivo da história? São, por acaso, um grupo de excluídos? Se não se descongelar carreiras, não há qualquer aumento de despesa. Se é para descongelar, que se faça para todos e com o faseamento possível. Ou será que não estou a equacionar bem o problema?

O que consta por aí é o seguinte:

 

«Descongelar carreira para todos os professores, devolvendo as progressões perdidas nos últimos sete anos e atualizando integralmente os salários, custaria 600 milhões de euros ao Estado. É tanto quanto o valor que o Governo pretende gastar com o descongelamento das carreiras de toda Função Pública em 2018 e 2019.»

"Inovação em Educação: o que é e o que se vê"

30.10.17

leituras de verão?

29.10.17

 

 

 

No verão, encontrei-me com o Millennium (os três primeiros) de Stieg Larsson e com dois de Jorn Lier Horst - Cães de Caça e Fechada para Inverno -. São policiais fascinantes. Como o verão se prolongou, andei por mais dois autores muito interessantes, Richard ZimmlerThóra Gusmundsdóttir, e estava com dificuldade em escolher uma ajuda para a síndrome de abstinência  provocada com o fim do Millennium. Vai por esta ordem:

 

areias-movedic3a7as

O Boneco de Neve 

 

"Al Gore volta a ser inconveniente, mas com optimismo"

29.10.17

 

 

 

"Al Gore volta a ser inconveniente, mas com optimismo". Fui procurar o post que fiz sobre a primeira "verdade inconveniente" e tem a data de 01 de Novembro de 2006. Começa assim:

 

O alarme soa todos os dias: o aquecimento global sente-se e teme-se. As catástrofes anunciadas deixam de ser "apenas" um prenúncio de morte, para passarem a ditar mais um exercício de apelo deseperado aos nosso hábitos de vida diária. Chamam-lhes catastrofistas, oportunistas e radicais, mas os estudiosos do aquecimento global não desistem; e ainda bem.

Al Gore, o ex-futuro presidente dos USA, como ele gosta de dizer, é um deles. Depois de anos e anos de exercício do poder, e quando muitos esperavam o seu exílio dourado, eis que o homem decide passar a maioria dos dias a dormir no “desconforto” dos hotéis de charme deste mundo, para realizar milhares de conferências sobre estes graves problemas do ambiente terrestre. Parece-me que o faz com convicção.

Fomos ver o documentário “uma verdade inconveniente” na antiga sala do cinema Nimas.

Com técnicas de realização de conferências muito profissionais, Al Gore ensina-nos tudo sobre aquecimento global e deixa que se fale da sua vida pessoal e das suas genuínas aspirações como ser humano. Passou-se um fenómeno curioso e que raramente se vê nas salas de cinema em Portugal: no final, vários espectadores aplaudiram de modo bem audível.(...)

 

Captura de Tela 2017-10-29 às 10.57.26

 

 

"Um país sem Estado e apenas com impostos"

28.10.17

 

 

 

"Um país sem Estado e apenas com impostos" é um texto de opinião de José Pacheco Pereira.

 

Captura de Tela 2017-10-28 às 12.39.19

 

Nota: para os OCS parece que ontem não houve greve. Nas escolas, e apesar de se prever o encerramento com a greve de outros profissionais, a adesão dos professores foi elevada, com números semelhantes a 2013 e com sinais de que a contestação continuará.

 

Uma greve com motivos inquestionáveis

27.10.17

 

 

 

Para além dos motivos que levam a administração pública a fazer hoje uma greve (a que aderi), os professores têm causas que se arrastam no tempo acrescentadas pelo que escrevi há dias:

"O Governo eliminará quase nove anos de serviço dos professores no descongelamento das carreiras. Nem considera uma recuperação faseada. Excluiu-os. E porquê apenas os professores? Por uma questão técnica, diz o Governo. É consensual que a sucessão de "reformas estruturais" deixou o Estado, e a sociedade, sem norte. A avaliação do desempenho é um espelho dos desajustamentos. As avaliações no Estado (SIADAP) são um fingimento indesmentível e em 95% das empresas não existe. Qual é, então, a questão técnica que exclui os professores? São os pontos, diz o Governo. Nas outras carreiras as pessoas obtêm um ponto por ano até ao número necessário à mudança de categoria e nos professores, diz o Governo, é por menção qualitativa. Só que a menção é obtida, com quotas, numa escala de 0 a 10 pontos (por exemplo: 7.51 pontos é bom e 8.53 pontos é muito bom) e o professor muda de categoria ao fim de x anos (como nas restantes carreiras). Era preferível o Governo pedir desculpa aos professores por imitar os anteriores. Se a história da exclusão raramente nos falou de "perseguidos" por serem muitos, desta vez é mais surpreendente; ao fim de dois anos, regista-se a imutabilidade também nas questões não financeiras vigentes desde 2007.(...)"

 

Lê-se as palavras indignadas de representantes sindicais e das "associações de dirigentes escolares" a propósito da eliminação dos anos entre 2011 e 2017 (ou, na prática, 2019 ou mais - no caso de quem entra no quadro pode chegar a 20 anos de cortes -), mas em nenhum caso se explica à opinião pública o motivo que se fundamenta na avaliação. É pena. Mas percebe-se, uma vez que boa parte destes organismos nunca foi peremptório na desconstrução do clima de farsa.

 

36892804821_9d1023e559

 

 Imagem obtida na internet

sem referência ao autor

 

"Défice cai 2290 milhões até ao final de Setembro"

26.10.17

 

 

 

Saúda-se, mas veremos como as pessoas aguentam congelamentos, prolongamentos da vida activa e impostos retidos na fonte e directos no consumo. Os credores da dívida, a banca e os investidores "determinantes" alegram-se com a notícia de que o "défice cai 2290 milhões até ao final de Setembro" e aplaudem que "Draghi garanta que compras de dívida “não vão parar subitamente”. Esses alegram-se e aplaudem e os restantes esperam que a seca tenha fim.

Não tarda e não haverá professores

25.10.17

 

 

 

Nem há dois meses escrevi assim:

 

"Ficaram professores por colocar? Sim; em poucos grupos de recrutamento é um facto. Uma passagem pelas listas dos professores não colocados, ou de reservas de recrutamento, regista um número reduzido (ou ausência) de candidatos para várias disciplinas. É uma tendência que se agrava e que abrirá telejornais. Com a "eterna" precarização dos professores contratados associada ao estatuto de cobaia na avaliação kafkiana (e de moeda de troca entre governos e sindicatos) e passando por um processo de desconsideração profissional, é natural que os jovens desistam de "ser professor" e que os menos jovens optem por outra actividade no país ou no estrangeiro. PS: se nada se fizer no estatuto dos professores do quadro, as condições de aposentação associadas ao burnout provocarão uma avalanche de insubstituíveis. Aliás, basta que o inverno se imponha."

 

Dá ideia que se acorda para um problema com duas décadas, mas que se acentuou na última com a degradação da carreira. Os alunos consideram os professores, mas não querem seguir a carreira e não frequentam a formação inicial. Da leitura seguinte, salienta-se a posição de um ex-ministro percursor da queda e que insiste nos argumentos que mais influenciaram o plano inclinado.

 

"(...)A renovação do corpo docente poderá tornar-se um problema sério para o país no futuro próximo. De acordo com um estudo realizado para o Conselho Nacional de Educação (CNE), com base no relatório dos testes PISA 2015 da OCDE, apenas 1,5% dos estudantes de 15 anos - a maioria dos quais com desempenhos abaixo da média - admitem ser professores no futuro. E esta crise de vocações para o ensino surge na altura em que se prevê que, face ao forte envelhecimento da classe, dois terços dos atuais professores se reformem nos próximos quinze anos.(...)

David Justino, presidente do Conselho Nacional de Educação,(...) o desinteresse dos alunos está relacionado com a "representação social dos professores", que perdeu relevância devido aos critérios de seleção dos que lecionam nas escolas: "Se nós não fizermos algo que permita que haja alguma seletividade no acesso a professores e critérios de qualidade na sua formação inicial, vamos ter problemas, porque cada vez mais a profissão de professor é vista como desqualificada", considera.

"O atual sistema, sendo aparentemente igualitário, não permite ao Estado fazer a seleção dos melhores", acrescenta, relembrando o estudo "De onde vêm os professores", também do CNE. "Esses dados já são assustadores, porque revelam que uma grande parte das escolas que estão a fornecer os maiores contingentes de professores, nomeadamente para o ensino básico e educadores de infância, não são necessariamente as escolas mais reconhecidas pelos seus méritos", diz.

Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), até concorda com a ideia de que a profissão está desqualificada. Mas não por falta de qualidade de parte do efetivo: "Essa é uma opinião do professor David Justino desde o tempo em que era ministro", lembra. "Se as escolas não têm qualidade, fechem-nas", desafia.(...)"

 

Captura de Tela 2017-10-25 às 21.18.44

 

Pág. 1/5