Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

A escola a tempo inteiro já começa antes dos dois anos de idade

07.10.16

 

 

 

A imagem, sobre horas escolares por ano, é de um estudo da OCDE de 2014. Um estudo da mesma organização publicado ontem, "Society at a Glance 2016", tem outro dado impressionante: as crianças até aos dois anos ficam, em média, 25 a 35 horas em creches. Em Portugal, o tempo sobe para 40 horas: uma jornada de oito horas diárias, cinco vezes por semana.

 

Nota: O estudo de 2014 tem outra conclusão da mesma família: Portugal é o terceiro país da OCDE, a seguir ao México e à Turquia, com mais jovens a abandonar precocemente a escola: em cada três alunos, um não conclui o secundário; são os mais afectados pela crise; e pela "eterna" sociedade ausente.

 

19289764_0QYFC

 

 

Da Europa e dos "Camareros"

06.10.16

 

 

 

 

O processo da ONU destapou a irrelevância da Europa; e da Alemanha. Li que o próprio Guterres o sublinhou no Conselho de Estado. Não será por acaso que os chineses consideram o futuro da Europa como um museu ao ar livre. Nesse caso, e olhando para o boom turístico, é pertinente a interrogação que ouvi noutro dia em Espanha: e os europeus serão "visitantes" ou "camareros"? Se olharmos para o emprego jovem europeu (precário e sem direitos como "nunca"), a segunda hipótese vence em toda a linha.

 

10313801-Vector-de-cartoon-de-camarero-llevando-platos-Foto-de-archivo

Imagem obtida na internet sem referência ao autor 

 

Do Dia Mundial do Professor

05.10.16

 

 

 

 

"Gostava ainda de deixar uma ideia do enorme João dos Santos, “(...)Foi meu professor porque foi meu amigo” e uma convicção pessoal que a idade cada vez mais cimenta, qualquer professor ou educador, tanto ou mais do que aquilo que sabe, ensina aquilo que é."

 

Muito "interessante o post" do José Morgado, donde retirei o parágrado inicial, do blogue Atenta Inquietude, dedicado ao dia Mundial do Professor.

 

Como hoje foi reposto o feriado do 5 de Outubro, escolhi um desenho do Antero.

 

14495344_894379674028654_6378715318746331925_n

António Guterres deverá ser o novo secretário-geral da ONU

05.10.16

 

 

 

 

António Guterres "deverá ser o novo secretário-geral da ONU". Será a vitória da transparência, da competência e do mérito, mas também da evolução democrática da organização. O escrutínio do processo terá impedido a prevalência dos jogos de bastidores. É interessante que ocorra no dia em que é reposto em Portugal o feriado da República. Como disse o PR no discurso de comemoração, que seja uma República com políticos "humildes e independentes", que elimine o "cansaço perante casos a mais de princípios vividos de menos" e recordando que "todo o poder político é temporário". Marcelo Rebelo de Sousa notou que os portugueses não querem o regresso "a uma ditadura, aberta ou disfarçada, permanente ou temporária".

 

Captura de Tela 2016-10-05 às 17.28.56

 

Lembrei-me de outros tempos

04.10.16

 

 

 

 

E eis que vão aparecendo títulos em jornais de referência sobre a profissionalidade dos professores. São estudos do ME que fazem a notícia. Os jornais ouvem algum contraditório. Depois, escolhem títulos com aquela inclinação que questiona as reduções de horários, e omite-se que são por causa da idade dos professores, deixando no ar a "possibilidade da bela vida". Não tarda, e foi assim que começou noutros tempos de péssima memória, intitula-se que os professores faltaram injustificadamente a 1345 aulas em 2015. Esmiúça-se a coisa e conclui-se que a amostra incluía 1 milhão e 345 mil aulas e que as injustificadas corresponderam a 0,1%. Esse 0,1% derivou de atrasos das juntas médicas e as faltas já estão devidamente justificadas.

 

image

Imagem obtida na internet sem referência ao autor.

 

do folio em Óbidos

03.10.16

 

 

 

"(...)A certa altura a jornalista pergunta a Bragança de Miranda se ele nunca quis ser artista. O entrevistado diz uma série de coisas sobre o seu percurso pessoal e profissional e termina assim: "Felizmente, veio a Revolução que acabou com todas essas ilusões." Porquê, diz a jornalista?: "Porque a Revolução era bem mais importante. E foi um momento fantástico que só quem o viveu pode verdadeiramente perceber. Quem não teve a sorte de ter vivido o 25 de Abril tem que se contentar com os mundiais de futebol."(...). Daqui.

 

Bragança de Miranda (BM) esteve no debate, ilustrado pela imagem, em 01 de Outubro de 2016, integrado no Folio de Óbidos. O amor pela liberdade foi a constante das suas intervenções. Quem assistiu, olha para a imagem, percebe a atmosfera, as diversas posições e até o referido sobre BM (é o do meio).

 

IMG_0305

 

do discurso político

02.10.16

 

 

 

A "supressão do futuro" (nada se sabe do amanhã) é uma exigência do discurso político sério. É tão rigoroso afirmar que dentro de quarenta anos não haverá pensões de reforma como prometer para o mesmo tempo uma pensão vitalícia à nascença. Vivemos a "absolutização do presente". Portanto, a ocupação mediática com a possível falência das pensões serve uma agenda política que pretende acentuar as desigualdades a favor dos tais 1%. O desconhecimento do futuro explica a "tolerância" estratégica até dos mais "religiosos" que pode ser lida como a "impossibilidade" de não ceder ao discurso dominante.

 

falcias-e-sofismas-6-638

 

Os agrupamentos de escolas como referência?!

01.10.16

 

 

 

 

O ministro da Educação citou a OCDE para concluir que os agrupamentos são referência em alguns indicadores financeiros. Importa centrar a discussão. O Governo não vive para lá do défice, e ponto final, e receia modificar indicadores contabilísticos. Depois de anos a fio de cortes, os funcionários da OCDE olharam para os orçamentos da Educação desde 2005 (construídos na melhor escola do Goldman Sachs com números que diferem, pasme-se, de instituição para instituição: OCDE-Eurostat, INE, Pordata/DGO e ME) e "baralharam-se". A conclusão representa uma ínfima parte do corte, existindo até mais despesa em algumas rubricas dessa vertente da austeridade a eito. Os agrupamentos, como o modelo de gestão, são negativos em qualquer ponto de vista; os próprios "criadores+arrependidos" o confirmam. As variáveis de "tolerância" (nomeadamente a partilha de professores, e de outros profissionais, em risco de ausência de serviço) seriam tratadas, com vantagens, sem estas epifanias. Como alguém disse, é bom que não "se confunda a árvore com a floresta" porque disso já tivemos que chegue.

 

images

pandora

01.10.16

 

 

 

 

 

 

(Este post é de 21 de Junho de 2010, mas pareceu-me oportuno reeditar quando a ideia de mega-agrupar escolas regressa à agenda.)

 

A gestão escolar voltou naturalmente à superfície por causa dos mega-agrupamentos. Depois de mais um período sobreaquecido, as pedras e os telhados começaram a sentir o peso do tempo: a memória reaviva-se e os professores começam uma espécie de ajuste de contas silencioso. É natural. Tem sido uma luta desgastante que deixou marcas profundas.

 

Vou lendo aqui e ali algumas referências ao caso de Santo Onofre, o tal exemplo que num ápice passou de oásis a deserto. Não é justo. Como sempre acontece nos momentos emocionantes, as opiniões oscilam nos extremos; é preciso considerar que basta um pouco mais do que uma dezena de professores para viabilizar o novo modelo de gestão.

 

Muitos associam, e bem, o modelo de gestão inventado por este PS aos mega-agrupamentos. Por outro lado, são bem conhecidas as minhas posições em relação à rejeição dos dois problemas (é de todo impossível falar em soluções).

 

E clarifiquemos: Santo Onofre nasceu em 1993 e iniciou-se como um agrupamento vertical. Instalou-se uma escola com segundo e terceiro ciclos que integrou duas escolas de primeiro ciclo: uma existente que encerrou e uma outra que deveria ter nascido numa zona próxima e que se tornou numa universidade privada que hoje já não existe. Tudo no mesmo edifício.

 

Os fundamentos da lógica empresarial aplicados à escola-organização são desfavoráveis à ideia de agrupamentos dispersos no espaço geográfico; seja em qualquer das mais diversas imagens que uma escola pode assumir: empresa, burocracia, democracia, arena política, anarquia ou cultura. Até a tão propalada cultura empresarial de escola não se afirma sem ser na relação de proximidade estabelecida no mesmo espaço físico. Foi também isso que fez da Escola Básica Integrada de Santo Onofre um caso singular e de referência.

 

Há outras formas de reduzir despesa como se defende aqui sem recorrer aos problemas em curso. A ideia que se persegue nesta fase descaracteriza o projecto de qualquer escola. Mais ainda numa época de quase mercado. Pior ainda se assente num modelo de gestão que retira a democracia da escola.

 

São estes os fundamentos. Aceita-se a discussão. Tenho denunciado o oportunismo de quem só agora vem clamar por justiça. Foram avisados há uns dois anos que estavam a abrir uma caixa de pandora. Todavia, nada disso implica que não nos devamos concentrar no essencial, na defesa daquilo que é mais justo para o poder democrático da escola, para a ideia de modernidade e para a defesa da eficácia na despesa.

Pág. 4/4