Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

42.000 "desaparecidos" numa década

28.07.16

 

 

 

 

Até arrepia: os números do "desaparecimento" de professores continuam a desmentir os defensores da bancocracia. Desde 2004/2005, "desapareceram" das escolas públicas 42.000 professores; cerca de 25% dos 167.000 que existiam. Para além das consequências que não nos cansamos de repetir, sabe-se que o número de professores com menos de 30 anos já vai em 451; 1,4%. Ou seja: os professores, os causadores do défice por serem muitos, "desapareciam" na inversa proporcionalidade da aproximação à bancarrota. Para onde foi o tal financiamento despesista?

 

Captura de Tela 2016-07-28 às 00.20.38.png

 

Portugal sem sanções

27.07.16

 

 

 

"Bruxelas propõe, por consenso, cancelamento de sanção a Portugal". É bom que se refira que é relativo ao orçamento PàF de 2015. Era o que estava para ser sancionado. Não foi. É justo e contraria os ensandecidos com a caminhada da Geringonça. Os neoliberais estão desorientados. Leio que os professores andam mais satisfeitos por causa dos salários. Enfim. Será que os opinadores e comentaristas não sabem que as carreiras estão há mais de oito anos congeladas e que há milhares de professores com salários líquidos pouco acima dos 1200 euros que não beneficiam de qualquer reposição salarial? O que a actual execução orçamental começa a comprovar é que não há qualquer caos com a redução de impostos para pequenos empresários e com a reposição de salários e pensões. Mas isso não esconde o que falta fazer e o Governo sabe-o muito bem. O episódio sanções evidencia uma diferença entre uma PàF-bom-aluno e a uma geringonça mais autónoma.

 

Captura de Tela 2016-07-27 às 17.25.59.png

 

do tempo e das injustiças

27.07.16

 

 

 

 

“Não desejo nem uma nem outra; mas se fosse preciso escolher entre sofrer a injustiça e cometê-la, preferiria sofrê-la.” A frase de Platão poderia ter mais umas nuances. Sei lá. O tempo, por exemplo, acaba sempre, embora muitas vezes "fora de tempo", por elevar o fundamental, reverter a condição de quem sofreu a injustiça e condenar o usuário da injustiça.

 

religion-crushing-free-will-cartoon_thumb[6].gif

 

Pág. 1/6