Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

da diabolização da Fenprof

31.05.16

 

 

 

"Na falência dos argumentos levantam o fantasma da Fenprof e da estatização". Ouvi e concordei. Tem sido assim nas últimas décadas e não apenas mais à direita onde o radicalismo ideológico explica o fantasmagórico. Muitos sociais-democratas, PS e PSD, têm usado um argumento familiar e defendem historicamente os regimes de cooperativas e fundações e o sindicalismo da área da UGT. Em regra, consideram a escola pública pouco plural e democrática porque está controlada pelo PCP e pela CGTP. A própria federação sindical especializou-se na encenação e capitaliza. A diabolização é não só irreal, como tem legitimado a instabilidade provocada por sucessivas "reformas impensadas". No fundo, o mainstream limita-se a combater o moinho de vento mentalmente incrustado. Para além da inaceitável exclusão democrática, é imperativo que considerem que a Fenprof é representativa e tem os mesmos direitos e deveres que as restantes forças políticas e sindicais. O sistema escolar teria muito a ganhar com esse avanço.

 

image.jpeg

 

10 anos a inclinar a escola pública

30.05.16

 

 

 

Foram dez anos a inclinar a escola pública. Quando muitos referem a necessidade de uma qualquer refundação ou mudança de paradigma (vocábulo que uso menos), é no sentido organizacional que leio o imperativo. Não foram só as sucessivas "reformas", baseadas em retrocessos civilizacionais ou guerra confessada aos professores da escola pública, foi o clima que se instalou que suprime o pensamento sobre o futuro. O desinvestimento na escola pública e nos seus profissionais é uma evidência que choca ainda mais os que olham perplexos para os poucos, e pouco fundamentados, defensores de grande parte dos colégios "privados". É que não se trata apenas de repor decência orçamental numa nódoa do Estado de direito, exige-se a recuperação dos caminhos democráticos, no mais amplo sentido, na organização da rede pública de escolas, e em cada uma das instituições, sem que isso avalie de forma negativa o esforço, e a relação pedagógica, de alunos e professores num sistema com tal grau de instabilidades e incongruências. Como alguém disse, "é preciso parar antes de voltar a avançar".

 

image.jpeg

 

do desinvestimento nos serviços públicos

29.05.16

 

 

 

Há umas duas décadas alastrou-se aos serviços públicos a primazia da ideia de negócio. A gestão foi o primeiro objectivo. A alegação repetida com critério: eliminação do corporativismo e do despesismo.

 

A agenda mediática introduziu impedimentos para o exercício dos cargos: médicos a gerir hospitais, juízes a gerir tribunais, professores a gerir escolas, bancários a gerir bancos, engenheiros a gerir a EDP, a PT ou obras públicas e por aí fora. Quem seriam, então, os gestores? Saltitantes especializados em tudologia e boas relações com a partidocracia. Sabiam de offshores e swap´s e tinham treino de casino. Os resultados falam por si.

 

 

PS: para os DDT´s, os colégios "privados" são a gota que os assusta e que descartam se der muito nas vistas. O que os preocupa são as descomunais EDP, segurança social, saúde e banca.

 

Dilbert+Cartoon.JPG

 

O Expresso está à venda?

28.05.16

 

 

A impressa do Expresso tem muitas referências, acusatórias do Governo, ao caso "estivadores"; umas subliminares e algumas tendenciosas. Mas a voracidade dos tempos é o que se sabe e o caso "estivadores" tornou-se um bom exemplo para o Governo e mais ainda se comparado com o anterior executivo. A desactualização da notícia evidenciou a parcialidade. Um jornalismo de referência seria, no mínimo, cuidadoso. Mas como no neoliberalismo tudo está à venda, estas nuances levantam a hipótese do desenho.

 

q-cartoon-for-sale-sign.jpeg

 

da blogosfera - o meu quintal

28.05.16

 

 

Como é que diz que se disse?

 

Nem mais.

 

E acrescento o comentário inserido neste post pelo Rui Farpas de Mascarenhas:

 

"Ai as estatísticas! Então as de “felicidade”… Mas embarcando no jogo delas, também se poderá dizer que elas “confirmam” que o paradigma escolar vigente está esgotado, mas (ainda) funciona graças aos professores e à sua dedicação e entrega."

documento do tribunal de contas era um visto interno de Setembro de 2015

28.05.16

 

 

 

Segundo a TSF, "o documento do Tribunal de Contas apresentado pelos colégios "privados" era um visto interno de um funcionário datado de Setembro de 2015". Os colégios já usaram indevidamente uma audiência com o PR e assiste-se a um somatório de "erros" e promiscuidades em diversas zonas. É preciso uma espécie de refundação depois de uma década em plano inclinadíssimo.

 

Recupero um comentário que me deixaram noutro post;

"É toda uma escola de trapalhadas e trafulhices, de jogos de sombras e de marionetes, de pequenos poderes em "roda livre", de fugas para a frente e por aí fora".

Ao que acrescentei:

Nesta zona convém recorrer também à sabedoria popular: zangam-se as comadres, sabem-se mais algumas coisas; tanto tira quem o faz, como quem fica à porta; gato escondido com a cauda de fora; a ocasião faz a acção; e por aí fora. Um enjoo. Fica sempre no ar a interrogação: tudo isto é mais Maquiavel ou basismo? O que vai valendo é que existe mais alguma transparência com a Web 2.0.
 

cartoon02.gif

Do duplex escolar

27.05.16

 

 

 

Já nem vou ao caso extremo do presidente do Conselho Geral da escola pública que é proprietário do colégio "privado" vizinho que tem contrato de associação redundante. Há inúmeros autarcas, como só agora alguns estão a reparar, que estão nos Conselhos Gerais das escolas públicas e comprometidos com o negócio dos colégios "privados". E podíamos ficar umas horas a elencar casos da mesma família. É evidente que a entrada da partidocracia na vida das escolas explicará alguns dos enigmas mais recentes da rede escolar.

 

O Governo mostrou-se corajoso e bem preparado. Necessitou, e necessita, de apoio no terreno. Desde logo, de clareza e transparência nas redes concelhias. A mediatização dos "erros" explicados pelas circunstâncias do primeiro parágrafo é inevitável e até favorece as intenções dos que se opõem ao Governo. Mas espera-se que esses casos de duplex escolar, agora mais expostos, tenham, no mínimo, uma vida mais difícil.

 

image.jpeg

 

São as voltas que a vida (escolar) dá ou é um haircut by boomerang?

26.05.16

 

 

Em 2011, os mais agressivos sentenciavam: "Somos o privado. Temos a excelência e a qualidade. Não temos confusões, manifestações ou recursos para tribunais".

 

Em 2016, os mesmos sentenciam: "Somos da rede pública. Promovemos a igualdade de oportunidades. Somos pela inclusão". E geram confusão. E ameaçam incumprir a lei. E manifestam-se. E com crianças; como nunca se viu. E recorrem para os tribunais.

 

As voltas que a vida (escolar) dá, realmente.

 

Então agora não se fala na necessidade de um haircut? O que nunca imaginei, foi ver um boomerang a executar o corte.

 

boomerang.jpg

 

Do voyeurismo e do facebook

25.05.16

 

 

 

"Nessa altura, ela estava no facebook. Sei sempre quando entra ou sai. Nunca viste a coluna da direita no computador ou no tablet? Consegues saber quem está e há quanto tempo", dizia-se em tom excessivamente audível na mesa ao lado. A conversa a quatro foi por ali fora sempre à volta da vida alheia. Nem a atenuação de uma voz mais-vida-própria, que remetia a possibilidade das presenças contínuas para tablets ou smartphones ligados com app's abertas ou com browsers na mesma situação em computadores, descansava as outras três almas. O frenesi do voyeurismo era tão sôfrego, que os vigiados já devem ter saliências no topo da cabeça, vulgo antenas, para a acusação evernet. Que raio de vidas, realmente.

 

image.jpeg

 

Pág. 1/6