Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

supressão dos exames das crianças cria alvoroço nas escolas

25.01.16

 

 

 

 

As escolas estão em alvoroço com a supressão dos exames industriais (Crato, num momento de rara lucidez, denominou-os por prova final) das crianças (9 e 11 anos) inventados de supetão, e sem ouvir ninguém, em 2011. Professores, alunos e pais já pensavam em Guterres e na ONU para que o calendário tivesse mais um mês por ano de forma a atenuarem a falta de aulas com ritmo durante seis meses nas disciplinas, a maioria, que Crato considerou não estruturantes (conceito desconhecido no mundo avançado desde o século XVII). Ninguém percebe como é que as escolas abriam antes de 2011, nem como funcionam as suas congéneres europeias sem estas provas finais. A desorientação está a contaminar os orçamentos dos órgãos de comunicação social que tinham um pico de vendas no dia em que publicavam rankings que ignoravam os dados sócio-económicos das escolas privadas de modo a respeitarem a origem imaculada dos financiamentos mais altruístas. O novo Governo, que eliminou o teste anual e universal que permitia um conhecimento sobre o sistema já elogiado no novo planeta para lá de Plutão, decretou provas de aferição para crianças de 7 e 10 anos de forma a garantir que todos os professores consigam continuar a leccionar e que os comentaristas mais agressivos se engasguem.

 

PS: este post foi escrito em ortografia irónica.

 

1302621611112.jpg

 

Obrigado Sampaio da Nóvoa

25.01.16

 

 

 

 

Trinta anos depois de ter assinado, em Chaves, uma lista de apoiantes da primeira mulher independente, Maria de Lurdes Pintasilgo (1986), candidata à Presidência, apoiei pela primeira vez publicamente (os tempos mediáticos são realmente muito diferentes e com influência decisiva no desfecho até de eleições presidenciais), e fui proponente, um candidato à Presidência: António Sampaio da Nóvoa (2016).

 

O candidato a Cidadão Presidente não venceu, mas voltaria a ter o meu apoio se o tempo recuasse os dias que entendesse. O seu discurso após os resultados eleitorais é elucidativo: parabéns a quem venceu,  com a elevação e a coerência que fez com que há muito o considerasse um muito bom candidato, mas também num registo comovido e alegre, solidário e feliz, autêntico e estruturado. Foi mais uma lição. Sampaio da Nóvoa é daquelas pessoas que os portugueses, de uma ponta à outra do espectro político, não se cansam de pedir que diga presente, mas que depois não é ouvido com toda a atenção porque os fanatismos (e os pântanos, já agora) se sobrepõem.

 

Não sei se voltarei a apoiar com convicção uma candidatura Presidencial e muito menos se esse facto demorará outros trinta anos. O que observei, e vivi e testemunhei, foi uma extraordinária candidatura apoiada por cidadãos envolvidos pela emoção e pelo voluntarismo. Foi muito bonito mesmo. Publico um vídeo que fiz na Aula Magna no encerramento. Muitas pessoas que viram as imagens em directo pelas televisões perguntaram-me se os momentos de apoteose eram, como parece habitual, encenados para as televisões. Nada disso. O que se vê no vídeo foi uma constante naquela hora e meia. Sampaio da Nóvoa era sistematicamente interrompido por aquele testemunho inesquecível.

 

Portugal mergulhou na prosa dominical do empobrecimento e ainda não foi desta que os eleitores deram lugar à prosa poética. A democracia (nesta fase, mais mediocracia) é assim e é também por isso que a defendemos. Faz escolhas que nem sempre são as nossas ou as mais inspiradoras, mas valeu a pena. Obrigado, Sampaio da Nóvoa.