Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

da suspensão dos juízos, da prudência e do exemplo grego

07.10.15

 

 

 

A divergência argumentativa à volta da formação do Governo aconselhava a helénica suspensão dos juízos: a époché (estado de repouso mental (momento de dúvida) pelo qual nem afirmamos nem negamos); mas registo algumas impressões.

 

Espero, obviamente, que a democracia funcione.

 

Ouvi o ainda PR a ler a "exclusão" em nome do acesso restrito às benesses ilimitadas do arco. Escutei as réplicas dos partidos e lembrei-me dos gregos. Por exemplo, o BE disse na campanha que não era o Syriza depois de em Fevereiro rejubilar com os feitos. Talvez fosse avisada alguma prudência associada ao respeito pela coragem dos outros. O PS tem ainda recursos para não se pasokiizar e a CDU mantém-se na galáxia da irrefutabilidade.

 

Percebi que Relvas foi a Brasília "contratar o marqueteiro" (que também fez campanhas Menezes) que "criou" a PàF (que é diferente de PSD mais CDS) em articulação com Marco Costa e Passos Coelho. É o mesmo registo que anunciou ministros de um novo Governo logo na noite eleitoral antes sequer dos números definitivos e da vontade constitucional do PR e que vai demonstrando um manancial de habilidades equivalentes a um nível tecnológico bem em forma. Não lhes auguro grande futuro: a frente de direita não deve escapar ao efeito "nova democracia".

 

Voltando à époché; a suspensão dos juízos husserliana também é actividade, ou, no mínimo, um "repouso" activo que implica uma decisão do pensar: sim ou não? E isso é muito mais fácil para os "treinadores de bancada".

 

gustav-klimt-death-and-life.jpeg

 

"A Vida e a Morte" de Gustav Klimt.