Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

a carta

16.09.15

 

 

 

Antes de lhe sugerir, caro leitor, que leia a carta (publicada pelo Público de 16 de Setembro de 2015) que Passos Coelho escreveu, em 2011, a Sócrates a pedir a troika, recordo um post que escrevi em tempos sobre um filme e uma carta:

 

"Querem ver que vai ler a carta toda". Levantou-se e saiu.

 

A cena passou-se no saudoso cinema King, em Lisboa, ao fim da primeira hora (mais ou menos, claro) de exibição do belo filme "A carta" de Manoel de Oliveira. Éramos uma dezena de espectadores e já estávamos reduzidos a metade. 

 

Confesso que não aprecio comentários dos espectadores nas salas de cinema, mas este foi inesquecível. Uma freira recebeu uma carta no seu quarto no convento, há uns minutos que a câmara nos dava um plano inamovível, a carta tinha umas quantas folhas e o saturado espectador tinha razão: leu a carta toda.

 

 Mas vamos então à carta que esclarece definitivamente o assunto:

 

Confidencial

Gabinete do presidente

Senhor primeiro ministro

“Recebi hoje informação, da parte do senhor Governador do Banco de Portugal, de que o nosso sistema financeiro não se encontra, por si só, em condições de garantir o apoio necessário para que o Estado português assegure as suas responsabilidades externas em matéria de pagamentos durante os meses mais imediatos. Ainda esta manhã o senhor Presidente da Associação Portuguesa de Bancos transmitiu-me idêntica informação.

Estes factos não podem deixar de motivar a minha profunda preocupação.

Não desconheço que o Governo tem repetidamente afirmado que Portugal não necessitará de recorrer a qualquer mecanismo de ajuda externa e é certo que a competência pela gestão das responsabilidades financeiras do país cabe por inteiro ao Governo.

Não disponho de informação sobre as acções e diligências que o Executivo estará a desenvolver para assegurar o cumprimento dessas obrigações. Porém, é do conhecimento público a situação do mercado que a República vem defrontando, desde há vários meses a esta parte, bem como o facto de o sistema bancário se encontrar sem acesso ao mercado desde há mais de um ano.

Atenta a especial sensibilidade desta matéria e as gravíssimas consequências que decorriam para o nosso país de qualquer eventual risco de incumprimento, é essencial que o Governo garanta, com toda a segurança e atempadamente, adopção das medidas indispensáveis para evitar tal risco.

Nestas circunstâncias, entendo ser meu dever levar ao seu conhecimento que, se essa vier a ser a decisão do Governo, o Partido Social Democrata não deixará de apoiar o recurso aos mecanismos financeiros externos, nomeadamente em matéria de facilidade de crédito para apoio à balança de pagamentos.

Considerando a extrema relevância desta matéria, informo ainda que darei conhecimento desta carta confidencial ao senhor Presidente da República.

Com os cumprimentos,

[assinatura]

Pedro Passos Coelho

Lisboa, 31 de Março de 2011

 

1314393711712.jpg