Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

rebelião à portuguesa

29.12.14

 

 

 

 

O estado psicológico dos portugueses é de rebelião, embora se fique pela contenção interior e pelo desabafo aos mais chegados.

 

Portugal tem uma população despovoada de esperança, à espera da implosão do que existe e na crença salvífica de uma força externa como sucedeu recentemente com a troika abençoada por quem manda na Europa; alguns até saudaram o acontecimento.

 

A pergunta inevitável brota insistentemente: vivemos a normal brutalidade das decadências?


Se os tempos são propícios à eliminação da autenticidade e à hipocrisia, vírus alimentado no autoritarismo e no salve-se quem puder, ainda podemos acreditar que muito se deverá ao nosso comportamento e à nossa capacidade para resistir.

 



1ª edição em 3 de Julho de 2012.  Reescrito.

 

 

 

da blogosfera - a educação do meu umbigo

29.12.14

 

 

 

 

Estava na gaveta

 

"(...)Para além disso, a anunciada iniciativa de municipalizar a gestão das escolas vai conduzir, de forma inevitável, a um maior grau de homogeneização e indiferenciação dos referidos projectos, acabando com qualquer possibilidade de verdadeira liberdade de escolha por parte das populações. A autonomia das escolas desaparecerá por completo, não sendo a pretensa “descentralização” mais do que a criação de centralismos locais, muito vulneráveis ao arcaico caciquismo e ao favorecimento de clientelas político-partidárias.(...)"

 

E a coisa agravar-se-á se pensarmos que o estado de "salve-se quem puder" é o primeiro critério. É um texto polémico que merece leitura e debate.

 

 

 

do que interessa

29.12.14

 

 

 

Fico com a sensação que a moderna globalização se caracteriza tanto por uma aparente velocidade como pelo excesso de presente, de efémero, de ubiquidade e de instantâneo. Esse estado remete-nos para a intemporalidade do conceito de que tudo o que é sólido se dissolve no ar. Pode ser um tempo para o vagar, para a reflexão e para a construção do que verdadeiramente interessa.