Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

Nuno Crato está perdido na argumentação

21.10.14

 

 

 

É penoso ver um ministro da Educação com o descrédito do actual. É bom que se diga que se olharmos para o prós e contras de ontem é caso para ficarmos preocupados com o futuro.

 

Nuno Crato já nem evoca como "obras" as metas ou os achamentos curriculares com cortes a eito nas artes e nas humanidades. O ainda ministro não fala de exames nem da "papelada" denominada por contratos de autonomia. Crato não refere o combate ao facilitismo e nem consegue colocar o emblema do "não-à-parque-escolar-e-às-novas-oportunidade". Já nem os 30 alunos por turma ou a prova de ingresso para professores conseguem pôr o ministro a dar asas à soberba em descrédito dos colegas de profissão.

 

Repare-se nas quatro "obras" que o ministro acha que deixou como legado: as duas primeiras estão por provar e aa seguintes fazem-nos recuar à década de 60 do século passado.

 

"(...)O alargamento da rede pré-escolar, a alteração do currículo para o 1.º ciclo, a redução das taxas de abandono escolar e as vias profissionalizantes do ensino secundário foram algumas das medidas apontadas hoje por Nuno Crato, durante a cerimónia de encerramento da conferência “Os Direitos da Criança – Prioridade para quando?”. 

“Temos aqui três ou quatro coisas de que o ministério se orgulha muito”, concluiu o ministro da Educação, no final da cerimónia realizada no parlamento e organizada pelo Instituto de Apoio à Criança (IAC). 

Segundo dados citados hoje por Nuno Crato, 99% das crianças com cinco anos frequentam o ensino pré-escolar e quase metade dos alunos do ensino secundário (47%) já opta pela via profissionalizante em alternativa ao ensino regular.(...)"