Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

extrapolações, inflações e rankings

21.09.14

 

 

 

 

Já fiz uma leitura na diagonal do relatório, do CNE, "Estado da Educação 2013", que é, se me permitem, um importante contributo mesmo que se evidencie a sua marca ideológica. Certifica o brutal desinvestimento na Educação.

 

A inflação das notas no secundário e nos cursos de formação de professores preenche a agenda mediática da Educação em consequência do relatório e das entrevistas do presidente do CNE. O ensino privado é acusado de inflacionar as classificações. É recorrente a acusação de que os colégios privados facilitam, por exemplo, o acesso às respostas de escolha múltipla nos exames do secundário e que os cursos de professores do ensino superior privado, que incluem estágio integrado (pasme-se), fazem "batota" (são estas as palavras atribuídas ao presidente do CNE).

 

É evidente que não basta apontar o dedo, é preciso agir.

 

Por exemplo, é comum falar-se da "batota" dos colégios privados nos exames do secundário para uma melhor fotografia nos rankings. É importante não omitir que a fotografia nos rankings dos jornais (com todo o respeito, valem o que valem e são muitas vezes mais uma espécie de atrevimento lusitano desconhecido no mundo conhecido) também se faz à custa da exclusão dos alunos que podem estragar a média. Ainda mais determinante na discussão da inflação batoteira é a nota de acesso ao ensino superior que não se apura apenas com as notas dos exames.

 

Por outro lado, é ainda sei lá o quê pensar-se que se reduz a "batota" nas contratações dos professores criando fómulas, mesmo que competentes, para dar corpo a epifanias como as que regulam o concurso "Bolsa de Contratação de Escola".

 

Há muito para fazer, mas com ideias despidas de tanto preconceito contra a escola pública e assentes num valor inalienável das democracias: a igualdade de oportunidades.

 

 

 

e mais um círculo como escolha

21.09.14

 

 

 

 

Está aqui o "Relatório estado da Educação de 2013", do CNE, cujo presidente, o ex-ministro no MEC, David Justino, se tem desdobrado em afirmações do género: "(...)Há uma completa desregulação do fenómeno de recrutamento e, havendo essa desregulação, safa-se quem fizer batota, nomeadamente com as classificações", alerta David Justino, apontando que a maior parte dos professores contratados são provenientes das universidades privadas.(...)".

 

É evidente que este problema é antigo, que tínhamos de olhar para a história da formação de professores nas últimas três a quatro décadas para o compreender e o post ficava muito longo.

 

Mas quando os aparelhos partidários promoviam o ensino privado com a atribuição de licenças como verdadeiros euromilhões, tudo isto era silenciado. Já se conheciam os fenómenos inflacionários há muito e nada se fez.

 

Retirou-se, erradamente, paulatinamente a profissionalização dos professores das escolas, que era um mecanismo de seriação e de formação no real, a par da desregulação mercantil da formação de professores. Mas o mercado era deus e as pessoas da família dos promotores acordaram tarde. Mas pior: culpam os concursos de professores por lista graduada e passam a vida com epifanias "empresariais" que infernizam a vida das escolas e dos seus profissionais.

 

Já em relação à inflação de notas no não superior, percebe-se que está implícito o mesmo problema e o silêncio ensurdecedor repete-se. E depois é apenas uma questão de escada e de treino na impunidade.