Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

o expresso da meia-noite e os automóveis

28.02.14

 

 

 

 

Estou a ver o expresso da meia-noite na SICN onde se faz um rescaldo do congresso do PSD. A jornalista (?) Maria João Avillez faz uma defesa acérrima do Governo e resolveu apresentar dados sobre pessoas. Disse-o assim para enaltecer as preocupações humanistas do seu governo. Foi taxativa: "o consumo de automóveis subiu 12% em 2013, o que significa que 12% de pessoas se sentiram em condições de comprar um automóvel novo". Esta inenarrável conclusão estatística deve ser influenciada pelas aprendizagens com o livro sobre Gaspar (o premiado pela relação entre os erros em excel e o empobrecimento inapelável de populações pouco numerosas e com excesso de automóveis).

 

Para compensar, aconselho a crónica de Pedro Xavier Mendonça, no expresso online, "O automóvel como centro do mundo".

 

 

"O automóvel é todo um mundo. Não só cria uma cultura e uma economia, como novos códigos de ação e mais aprofundadas esferas ocultas. Passo a explicar.

Cria uma cultura porque surge no centro das cidades. Alarga o espaço urbano para nele melhor caber, como parecia prever o Marquês de Pombal. É ícone do progresso industrial e da liberdade individual, basta ver a América. Mostra diferenças sociais e conquistas pessoais - "o meu carro é melhor do que o teu". Concentra nos seus diferentes tipos e acrescentos um elogio à tecnologia como poder, performance e estilo, como é exemplo a subcultura tuning.(...)"

 

 

 

dos direitos

28.02.14

 

 

 

 

“Como atribuir os direitos ao indivíduo enquanto tal, uma vez que o direito rege as relações entre diversos indivíduos, uma vez que a própria ideia do direito pressupõe uma comunidade ou uma sociedade já instituída? Como fundar a legitimidade política nos direitos do indivíduo, se este nunca existe como tal, se em sua existência social e política ele está sempre necessariamente ligado a outros indivíduos, a uma família, uma classe, uma profissão, uma nação?”.

 

Pierre Manent


 

do livro Política e Modernidade 
de José Bragança de Miranda