Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

o já longo caso GPS

30.01.14

 

 

 

 

 

 

 

Estranhei os factos ocorridos com o grupo GPS em 2004, 2005 e 2006. Fiquei atento ao assunto e publiquei alguns textos de opinião. Também estranhei que nas Caldas da Rainha o assunto só tivesse sido mediatizado há cerca de dois anos e no decurso dos cortes a eito nas escolas públicas.

 

Pelo que vai divulgando a comunicação social, a grande operação da semana passada foi preparada há mais de um ano e provocada também por acção do MEC em resultado de seis auditorias da Inspecção-Geral da Educação que, segundo o "I", foram arrasadoras para o Grupo GPS.

 

Basta googlar para se encontrar notícias com acusações graves, ao Grupo GPS e aos seus proprietários, com datas que remetem para 2006. A polícia judiciária há muito que confirma as investigações.

 

Ora leia, por exemplo, esta notícia de 27 de Julho de 2009, muito antes da sociedade ter acordado para o assunto.

 

 

"Despedimento “antecipado” para docentes.

 

Grupo GPS acusado de obrigar à assinatura de contratos e cartas de rescisão em simultâneo. Director desmente.

 

O Grupo GPS Educação e Formação, com mais de 20 escolas, exige aos professores cartas de despedimento no início de cada ano lectivo. Docentes falam de um ‘polvo’ de ilegalidades e terror. Director desmente tudo, mas PJ confirma investigações.

 

A 31 de Agosto, muitos serão os professores das mais de 20 escolas e colégios do Grupo GPS Educação e Formação, com sede no Louriçal, concelho de Pombal, que poderão cessar o contrato. Não por serem dispensados, mas porque os próprios foram obrigados a assinar uma carta de despedimento no início do ano lectivo, ao mesmo tempo que assinavam ou renovavam contrato, mesmo quando já lá leccionam há anos suficientes para fazerem parte dos quadros das escolas.

 

António José Calvete, director do Grupo GPS, nega as acusações, remetendo alguma turbulência para um conjunto de professores da Escola Profissional da Figueira da Foz que estão a ser confrontados com o facto de não poderem continuar a leccionar por falta de habilitações específicas.

 

A Polícia Judiciária (PJ) confirma investigações – não directamente relacionadas com os referidos contratos com docentes –de alegadas irregularidades relacionadas com os crimes de fraude e desvio de subsídios.

O presidente do Conselho de Administração do Grupo GPS, António Calvete, enquadrou o Colégio Internacional de Paços de Ferreira na vontade da comunidade pacense “em dar um passo qualitativo na construção de uma cidade educadora” e recordou que todas as escolas e colégios do Grupo GPS estão certificadas de acordo com a norma ISSO 9001.


A GPS foi constituída juridicamente em Novembro de 2003. Agregando inicialmente escolas dos distritos de Leiria (o Instituto D.João V, o Colégio Dr. Luís Pereira da Costa, o Instituto Vasco da Gama e o Colégio de São Mamede), de Coimbra (o Instituto de Almalaguês, o Colégio de Quiaios) e de Santarém (Colégio Infante Santo), hoje integram já este grupo vinte e três colégios e oito escolas profissionais, correspondendo a mais de dez mil alunos distribuídos pelos diferentes ciclos de Ensino. O Grupo GPS assume a relevância do maior grupo empresarial na área do Ensino Particular não Superior, apresentando uma estrutura profissionalizada ao nível de gestão financeira e pedagógica de todas essas unidades. O grupo conta com a colaboração dos ex-Secretários de Estado de Educação, Professor Domingues Fernandes e Professor José Manuel Canavarro. A GPS – Serviços e a GPS – Imobiliário são os dois outros vectores de investimento do grupo."

 

 

o mito de narciso

30.01.14




 


(quadro de caravaggio
- o mito de narciso -)






A história de Narciso deve servir de metáfora para a nossa vida.

Se não somos capazer de olhar-nos com imparcialidade, afogamo-nos na vaidade: a ilusão do "eu" isolado: eu sou, eu fui, eu faço, eu fiz, eu posso.

Melhorar o carácter e a personalidade, através do difícil exercício de auto-conhecimento, não deve ser uma soma de saberes para a glorificação de um indivíduo como o "senhor da razão", mas uma acção que estimule, simultaneamente, o saber pessoal e o despertar da comunidade para o interesse e para o desejo no exercício da partilha.

Cada um de nós actualiza Narciso.


"Narciso morre de sede
ao beber a sua imagem".




(1ª edição em 15 de Junho de 2007)