Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

da sociedade pós-heróica

05.01.14

 

 

 

 

"Uma sociedade pós-heróica necessita de uma política que se exerça para lá da alternativa enfática entre o poder e a impotência. Tanto o discurso ideologicamente voluntarista como o derrotismo neoliberal ressoam de tempos heróicos em que mandar era entendido como mandar absolutamente com uma disposição soberana, sem verdadeiros interlocutores, sem respeito pela complexidade social. Mas há vida política no poder limitado e na impotência política bem gerida. A falência da política, que uns festejam e outros lamentam, é uma tese que não pode confirmar-se historicamente nem medir-se empiricamente. A política é por vezes desacreditada partindo do modelo de uma competência inalterável, como se os problemas sociais estivessem condenados à alternativa de receberem solução por meio de uma política soberana ou de ficarem abandonados à sua sorte. (...)" 

 

 

 

Daniel Innerarity (2011, p:135).

"O futuro e os seus inimigos". Lisboa: Teorema.

 

Eusébio da Silva Ferreira (1942-2014)

05.01.14

 

 

 

 

 

 

 

 

A caricatura no metro de Lisboa imortaliza o estilo inconfundível do jogador a que nem o mais distraído das coisas do desporto ficava indiferente - como parece ser o caso da imagem acima e que se confirma na fotografia seguinte.

 

 

 

A figura mítica do atleta de eleição Eusébio da Silva Ferreira está ligada às minhas duas pátrias: Moçambique e Portugal.

 

Julgo que a imagem seguinte se refere a um jogo do mundial de 1966 com a Coreia do Norte. Eusébio recolhia a bola, depois de mais um golo, para acelerar o tempo. Era muito pequeno, mas recordo-me bem desse jogo. Estava, na então Lourenço Marques e no cinema Manuel Rodrigues, a ver um filme, se bem me lembro, de desenhos animados. Os inúmeros rádios que sintonizavam o jogo dominavam o ruído de fundo no café do cinema e tornavam a atmosfera inquieta e desconcentrada. No intervalo do filme Portugal perdia, salvo erro, por 3-1 (já com um golo de Eusébio). A caminhada até à viragem do resultado, 5-3 com 4 golos consecutivos de Eusébio, fez com que o burburinho extravasasse para a sala de cinema e a apoteose da vitória chegasse  antes do fim do filme. A lenda de Eusébio tornou-se universal e imortal nos dois continentes.