Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

editorial (21)

27.11.13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O blogue fará 10 anos em 25 de Abril de 2014 e este é o post 7206. Regista 21901 comentários. Agradeço essa generosidade, sentimento que é extensivo a quem passa por aqui sem o fazer. Quando olho para a coluna das etiquetas impressiono-me com o número de posts de algumas. O blogue derivou para as políticas educativas e isso estava longe das intenções iniciais.

 

Gosto de escrever. Ajuda-me a racionalizar o mundo e a soltar a alma. É um risco que me acompanhou antes do blogue e de que não desistirei depois dele.

 

Os blogues são uns clássicos das redes sociais. Sempre tentei não entrar numa espécie de obrigatoriedade e apenas os picos do exercício de cidadania exigiram alguns excessos. 

 

Reduzi a divulgação do blogue nas redes sociais e não repetirei alguns procedimentos. Vou estar por aqui, partilharei de forma automática alguns posts no facebook (encerrei a página "Correntes" e mantenho a pessoal) e fechei o twitter. Passei a ser muito parco no uso do email e do sms e deixei de responder às provocações. Só troco emails ou sms´s com quem conheça ou me inspire confiança.

 

"Gabo-me mais do livros que li do que tudo o que possa escrever". Esta frase de Jorge Luís Borges é um dos meus lemas. Nem sempre leio o que queria e quando o faço menos os posts saem com mais dificuldade. Bem sei que desenvolvi alguma técnica de escrever depressa ao longo destes anos que simplifica o imediatismo das análises, mas isso não invalida uma confissão: dos 7206 posts escolhia umas dezenas.

 

Nem tudo são rosas na blogosfera. Inquieto-me com a localização dos posts. É um fenómeno antigo e inevitável. Um leitor consegue fazer leituras que nunca nos passaram pela mente. Como sou professor e escrevo muito sobre Educação, há a tentação para inferir que me estou a dirigir a alguma instituição em concreto. É injusto. Se há algo que me caracteriza, é alguma coragem para dizer o que penso sem tibiezas; mas com respeito. Também me inquieto com as invenções. Mas, muito francamente: é peditório esgotado e desconfio que não é nada de novo. Parece-me que já nasci assim e sei muito bem que não é fácil o estatuto de "estar por conta própria" que é impensado para o mainstream

 

E repito o último parágrafo do editorial anterior: Seria mais cómodo que a linha editorial de um blogue se restringisse ao puro prazer de escrever e de editar posts sem conteúdos relacionados com causas e com temas denominados de cidadania. No meu caso seria, mas não era a mesma coisa.