Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

bem antes da troika

24.04.13

 

 

 

 

 

Quando escrevi neste post que "(...)quando a coisa se generalizar na forma de centenas de mega-agrupamentos, organizados no quinquagésimo quadro de divisão do rectângulo e habitados por professores precários, a despesa humana será incontrolável e o abandono escolar ainda mais chocante(...)", estava a pensar no que existiu desde a mudança de milénio e na agenda inconfessada que foi forçando o descrédito das escolas do Estado porque o seu orçamento era demasiado apetitoso para não obedecer à pior lógica PPP.

 

Não é preciso pensar muito para perceber como os indicadores macro comovem os decisores políticos e como a pior tese "cooperativa de ensino" tenta sobreviver.

 

A babilónica organização administrativa do país e a dificuldade nos domínios da descentralização e da desconcentração do Estado, associada ao temor com a municipalização, atribuem créditos à ideia. Cria-se mais um quadro de divisão administrativa centralizado, que não seja concelhio nem distrital, e prepara-se terreno para o ensino low cost (patente registada pelo Paulo Guinote).

 

Numa democracia tem de existir espaço para o ensino privado, confessional ou mesmo na lógica "cooperativa de ensino" que adquire diversas nomenclaturas nas democracias.

 

O que é inadmissível na escolaridade obrigatória, e quiçá nos outros níveis, é a privatização de lucros à custa dos salários das pessoas e a contratação não escrutinada de professores pagos pelo orçamento do Estado.

 

 

 

Já usei parte deste texto noutro post.

também nos swaps, obviamente

24.04.13

 

 

 

 

 

Há uns anos que vou seguindo a pegada do Goldman Sachs e foi António Borges, um guru do subprime que, de repente, ia chefiar o PSD e o próprio país, quem me despertou a curiosidade. Tenho um primeiro registo datado de 16 de Maio de 2010.

 

Foi sem surpresa que encontrei o banco de investimento, com o Deutshe Bank sempre presente, nas principais instituições ligadas ao caso swaps. Para além do citado consultor governativo, haverá ministros ou secretários de Estado em funções que sabem muito sobre o assunto.