Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

da exaustão escolar

05.02.13

 

 

 

 

 

A primeira década do milénio foi arrasadora para a cultura organizacional das escolas. A partir de 2005 o fenómeno tornou-se alucinante. Algumas escolas resistiram, ou tentaram, à avalanche. As mais destemidas foram objecto do pior que tem a nossa sociedade e já são muito poucos os que não se convenceram que os desmandos e os abusos de poder dão sempre maus resultados.

 

Escolas exaustas é uma expressão usada por Joaquim Azevedo (2011:119) em "Liberdade e Política Pública de Educação" e em que diz o seguinte:"(...)Mais uma coisa se impõe registar ao fim de quarenta anos de mudanças contínuas e de uma instabilidade permanente, as escolas estão exaustas. A sua inteligência organizacional, que constitui, para cada escola, em cada contexto social concreto, o seu mais precioso capital, é desbaratada sob o efeito de três importantes factores, entre outros:(...)as equipas ministeriais mudam frequentemente as normas, os órgãos, os "programas especiais(...); em consequência deste efeito as escolas não têm tempo para parar, tempo para as tais práticas profissionais e reflexivas (sobre cuja importância falam tantos autores!)(...) tempo para o desenvolvimento de uma cultura profissional e para a celebração de um "espírito de corpo".(...)".

dos cortes nos do costume

05.02.13

 

 

 

 

Luís Valadares Tavares, ex-presidente do Instituto Nacional da Administração, é um adepto do SIADAP (Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Pública). Bem sei que a linguagem do sistema é sedutora e bem-pensante, mas a sua aplicação é desastrosa.

 

Nas respostas a esta entrevista, levanta uma questão pertinente depois de afirmar que o Governo está a "esmagar" a função pública (é mais um que chegou atrasado à tragédia que ajudou a perpetrar).

 

 

"(...)Cortar nas aquisições.


Sim, mas há cinco administrações públicas. A directa está controlada, o Governo não tem conseguido controlar é as despesas nas empresas públicas, institutos públicos e nas administrações regional e local.(...)"

alcançar

05.02.13

 

 

 

 

 

 

 

"O truque é não nos enganarmos a nós próprios

acerca de certas coisas: pequenas ilhas rochosas no mar

das próprias desilusões. Agarrá-las e não se afogar

é o máximo que um ser humano pode alcançar".

 

 


Elias Canetti

Nobel da literaura em 1981


as duas?

05.02.13

 

 

 

"Poder-se-á reduzir a humanidade a uma mera soma estatística de cidadãos-consumidores que se vão entredevorando pelo tédio e pela inveja?" É difícil generalizar como Gilles Châtelet, mas prevalece a impressão que são os consumidores, e não os empresários, quem faz os mercados. Os sábios, como hoje se classificam pessoas como Steve Jobs, "limitaram-se" a antecipar o que os consumidores desejariam ou criaram-lhes o desejo? Ou combinaram as duas?