Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

só agora?!

07.01.13

 

 

 

 

São muitos os que dizem que vivemos para além do tempo constitucional. A indignação instalou-se e soaram os alarmes na estratosfera.

 

Impõe-se uma pergunta: só agora é que se aperceberam?

 

Já nem me refiro à banca e por aí fora, apenas sublinho que os professores portugueses, e a escola pública, estão há muito "fora dos tempos" de curto, médio e longo prazos: opinião pública, legislatura e constituicão.

da desvinculação

07.01.13

 

 

 

 

 

 

 Da esquerda para a direita: Helena Mendes, Arlindo Ferreira, César israel Paulo e Jorge Costa.

 

 

 

A Comissão Europeia "obrigou" o MEC a vincular os milhares de professores portugueses que estão há anos a contrato e numa situação inédita na Europa. A petição que originou essa decisão foi desenvolvida por professores portugueses, conforme relatei neste post a propósito do encontro nas Caldas da Rainha a que se refere a imagem.

 

Na altura, escrevi assim:

 

"(...)O Jorge Costa (Petição ao Parlamento europeu) foi muito detalhado e deixou claro o esforço em nome da vinculação dos professores contratados junto dos Parlamentos nacional e europeu. Percebeu-se melhor que a decisão inesperada de Nuno Crato ao anunciar a vinculação de professores contratados foi um exigência europeia e não um achamento ou epifania. O Jorge Costa evidenciou a persistência a que se obrigou num processo em que contrastaram os procedimentos europeus e a morosidade e tortuosidade, e isto para ser brando, do nosso MEC.(...)"


O MEC, encostado à tradicional FNE, não cumpriu. A promessa de Nuno Crato mais pareceu uma manobra para atenuar o efeito horários zero determinado pelas finanças.

 

O César Israel Paulo, da ANPC, dá uma entrevista que deve ser lida.

 

 

César Israel Paulo: “Gostava de saber o que o MEC está a imaginar fazer”

 

 

"(...)"Verdadeiramente insignificante face à dimensão real do problema." O número de 600 vagas que o Ministério da Educação e da Ciência (MEC) vai disponibilizar para vincular de forma extraordinária os professores contratados frustrou as expectativas de César Israel Paulo que apontavam para as 10 mil. Em entrevista ao EDUCARE.PT, o presidente da Associação Nacional de Professores Contratados (ANVPC) lamentou a atuação das organizações sindicais no processo de vinculação: "As federações vivem das quotizações e tenho absoluta consciência que quem as paga são os professores do quadro, portanto, considero que elas defenderam os interesses da maioria dos seus associados. Mas não foram justas."(...)"

 

rasto da colonização portuguesa

07.01.13

 

 

 

 

 

Contributo da Manuela Silveira.




“Suspiramos pela Democracia, mas nunca lhe quisemos pagar o preço. O preço da Democracia é (…)a mais difícil, repetimos, das educações: a educação que faz homens livres e virtuosos. E por que não a tivemos? – Porque força é insistir, jamais fizemos da educação o serviço fundamental da República.

(…)Porque jamais tivemos regime (…)em que não houvesse a classe que se beneficia do Brasil e a que trabalha, peleja e sofre para a existência dessa outra classe.

Às vezes ponho-me a indagar: por que será que o Governo, entre nós, há-de ser sempre como um bem privado, que se conquista como se fosse um tesouro, uma riqueza a ser distribuída com os amigos, companheiros e partidários? Tal concepção é tão profundamente generalizada no Brasil que me ponho por vezes, a indagar da origem, por certo, vigorosa de tão estranha deformação.

E ocorre-me que talvez não tenha sido inocente a este respeito o método de colonização português.”

_________________________________

AUTONOMIA PARA A EDUCAÇÃO NA BAHIA


"(...)E ocorre-me que talvez não tenha sido inocente a este respeito o método de colonização português. Enquanto a Inglaterra colonizava por meio de companhias comerciais organizadas para o objectivo privado da exploração e do lucro e estas companhias comerciais, por força das circunstâncias faziam-se governo e estado, adquirindo, sem o quererem, funções públicas de ordem e poder de tributação, Portugal colonizava por intermédio de Governos que se faziam por força ainda das circunstâncias, comércio e exploração de lucro privado. Assim, enquanto na colonização inglesa era o comércio, era o privado que se fazia público, na colonização portuguesa, era a autoridade pública, o governo que se fazia comércio, que se fazia poder privado e particular. Julgo que está aí, talvez, um pouco da explicação do privatismo irremediável com que ficou maculado o nosso conceito de governo.

 

 

 

Teixeira, Anísio.

Autonomia para educação na Bahia. 

Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos.

Rio de Janeiro, v.11, n.29, jul./ago. 1947. p.89-104


acordo ortográfico

07.01.13

 

 

 

 

Este blogue discordou ortograficamente, mais por falta de tempo e por questões estéticas, e parece que o acordo afinal não está em vigor nem estará. Quando muito haverá um novo acordo e ajustado.

 

 

 

 

Ps: Era para ser ortográfico, mudou para ortigráficamente, passou para ortográficamente (podia advogar com os advérbios de modo da década de 70 do século passado, mas não foi, foi distracção) e o acento (o assento foi mesmo propositado; a sério; faltaram as pipocas, uma vez que a saga está para durar :)) só caíu com ortograficamente. Obrigado a todos pela atenção; mas obrigado mesmo.