Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

herança pesadíssima

19.11.12

 

 

 

 

 

É impossível condensar num post tudo o que se pensa ou escreveu sobre um assunto e isso pode gerar equívocos.

 

A Alemanha, como de resto a França, a Itália, a Espanha, a Grécia, Portugal, a Inglaterra ou os Estados Unidos e por aí fora têm, apesar dos momentos trágicos, de ter orgulho na sua história e na sua cultura.

 

A actualidade alemã é particularmente difícil. Terminou há pouco a "inclusão" da região leste e tem de ser uma "pedra" chave numa Europa em crise e que tem de competir em desigualdade de direitos laborais com regimes ainda mais mergulhados na corrupção, a Rússia e a China, e com a pátria do mass-market planetário e das predações associadas, os EUA.

 

Convenço-me que a principal preocupação alemã passa por evitar a repetição do período 1939 a 1945. É uma herança pesadíssima.

 

Não se deve separar a biografia das possibilidades políticas e Merkel não foge ao exame. Haverá alguma controvérsia que só o tempo ajudará a perceber.

 

E é sempre importante sublinhar algumas evidências históricas.

 

 

 

 

 

 

Steiner, G. e Spire, A. (2000:45).

Barbárie da Ignorância.

Lisboa.

Fim de Século.

é, mas não tarda diremos: foi

19.11.12

 

 

 

 

Se Portugal é o país europeu com maior aumento de licenciados na área das ciências (segundo um relatório da rede Eurydice sobre o ensino das competências chave na Europa, divulgado esta segunda-feira, e que dá conta que a percentagem passou de 17 para 25 entre 2001 e 2010) é porque o sistema escolar de 1990 a 2005 teve um desempenho de elogiar (até porque os indicadores de excelência também estão mais do que certificados). Já se sabe que Lurdes Rodrigues e Nuno Crato dirão que são alunos nascidos depois de 2005.


Se somarmos as políticas de Lurdes Rodrigues aos achamentos essenciais de Nuno Crato, teremos motivos para desejarmos o céu ou o inferno. Tenho ideia que vamos mais a caminho do segundo. Se não invertermos a rota, os números do futuro próximo mostrarão um país em franca regressão.


A notícia tem também um lado cómico quando mediatiza o eduquês I contra o eduquês II:


"(...)Segundo o relatório, na última década todos os países procederam a revisões do currículo educativo com vista a aproximá-los dos conceitos de competências-chave. Em Portugal, uma das primeiras medidas do actual ministro Nuno Crato foi, pelo contrário, o de revogar o documento que desde 2001 norteava ao ensino básico, pondo fim ao conceito das chamadas “competências essenciais”.(...)"

na assembleia municipal a 20 de Novembro

19.11.12

 

 

 

A comissão de representantes do movimento "Em defesa da escola pública do oeste" vai desenvolvendo um conjunto importante de acções. 

 

A próxima reunião da Assembleia Municipal das Caldas da Rainha será no dia 20 de Novembro, amanhã, às 21h00 e foi feita uma inscrição para a intervenção do movimento. 

gotas

19.11.12

 

 

Já dei conta da meu fascínio pela obra de Amos Oz. O genial escritor consegue lançar umas gotas de oxigénio no eterno e sangrento conflito entre israelitas e palestinianos. Nem sei se em vão, uma vez que o conflito não só persiste como tem momentos de alucinante descontrole.

 

Recebi por email uma história que terá sido escrita por Amos Oz. Não consegui confirmar.

 

"(...)Um exemplo engenhoso do discurso e da política ocorreu recentemente na Assembleia das Nações Unidas e fez a comunidade do mundo sorrir. Um representante de Palestina começou: "Antes de começar a minha intervenção, quero dizer-lhes algo sobre Moisés. Quando partiu a rocha e inundou tudo de água, pensou, "que oportunidade boa de tomar um banho!" Tirou a roupa, colocou-a ao lado sobre a rocha e entra na água. Quando saiu e quis vestir-se, a roupa tinha desaparecido. Um Israelita tinha-as roubado". O representante Israelita saltou furioso e disse, "que é que você está a dizer? Os Israelitas não estavam lá nessa altura." O representante Palestiniano sorriu e disse: "e agora que se tornou tudo claro, vou começar o meu discurso."(...)