Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

digam-me que isto não está a acontecer

18.07.12

 

 

 

 

Este email vem identificado e só não escrevo o nome da autora para não a expor mais.

 

Olá Paulo!
Espero não o incomodar com este mail, mas é do género "é agora ou nunca". Estava eu há pouco nos profslusos e espreitei outros blogs sobre educação e novidades e desgraças para os contratados e até que vi a sua página sobre avaliação do desempenho docente. Este tema desde julho passado que me faz arrepiar!
Sou professora contratada numa escola TEIP no grupo 400- História e tive no ano passado como avaliador um prof. de Geografia que é o Coordenador de Departamento. Eu e mais duas colegas do meu grupo.
Como nos 2 anos anteriores estive a dar aulas na Madeira, a avaliação era algo quase desconhecido para mim. Lá fiz o meu relatoriozinho com todas as evidências a que tive direito e, como não tive um ano nada fácil, por motivos de saúde fui operada e tive um irmão com cancro em estado terminal que como sabe quem por lá passa não é fácil... com os antidepressivos para aguentar os filhos, os alunos PIEF, e a dor de ver alguém tão amado a sofrer e apoiar os meus pais que perdiam o seu 2º filho, etc...
No dia da fatídica entrevista com o colega, este começou por me saudar dizendo, e estas são frases que no meio da incredulidade e humilhação consegui reter na minha memória: " Olha ...a minha impressão é a de que te andaste a arrastar o ano todo, Penso que não deste o teu melhor...Queixavas-te imenso dos teus alunos PIEF...Vi-te muitas vezes sentada no sofá enquanto as tuas colegas estavam no computador... Durante os conselhos de turma achei que alteraste algumas notas de forma um tanto ao quanto leviana e sem mostrares o rigor necessário... Não realizaste nenhuma visita de estudo nem fazes parte de nenhum clube...foste a única que ao longo do ano me pediste para sair mais cedo de uma reunião de departamento (para ir a um velório,  reunião pós-laboral que já durava há mais de 2 horas na qual pedi logo no início), ...E, também, no dia da entrega do relatório de auto avaliação foste a última a entregar!" (bom...alguém tinha de ser o último!!)  A conversa seguia nestes moldes quando eu finalmente consegui balbuciar " Olha para que estás com esses ataques eu nem sequer pedi aulas assistidas...não está em causa a minha  nota devido às cotas aqui da escola !" Ao que ele me respondeu:" Olha, não vás por aí porque pelo que eu me andei a informar sobre as tuas aulas, elas até nem eram grande coisa!" ......As acusações continuaram com argumentações mesquinhas que nunca imaginei um colega de trabalho ser capaz. Ainda me "compensou" dizendo que estava a ter em conta a minha situação e a morte do meu irmão!
A sensação que tive foi de uma grande humilhação. Chorei por desespero e por pena de mim. Apresentou-me a pontuação de 7.1 valores. Mas não foi a pontuação, mas a forma que ele encontrou de me descartar. O facto é o seguinte: éramos 3 professoras e neste ano só haveria lugar para duas, sendo que a outra era novinha e disponível...e mais não digo! Meses antes uma colega veterana da escola perguntou-me quem era o meu avaliador ao que me respondeu "estás f.....porque ele só gosta de colegas novinhas..." Passei um mau bocado e sabe o pior? amanhã volto a ter entrevista com ele... é de novo o meu avaliador. Arrependo-me amargamente de não ter reclamado, fica comigo até ao juízo final! Desta vez vou reclamar e pedir todas as argumentações por escrito.
Desculpe o desabafo, pois já me sinto mais aliviada para encontrar a fera!
Um abraço!

17000

18.07.12

 

 

 

E se o MEC reconhecesse que o número de professores com horário zero é de 17000?

 

Qualquer que seja o número, esta incompetente saga é a mais grave desumanidade que observei no sistema escolar. Nem os concursos de 2004, ou os titulares e a avaliação de 2008, conseguiram provocar uma injustiça tão brutal. Os professores portugueses não merecem isto. Pode parecer exagero, mas ainda ontem um colega me disse: somos não sei quantos mil com a estrela de david na testa.

 

Se somarmos estes 17000 professores aos 35000 contratados, temos um panorama que retrata a dimensão do sentimento de revolta que está instalado.

rede escolar das caldas da rainha (2) - alteração de local

18.07.12

 

 

Pedido de divulgação (alteração do local da reunião):

 

 

Um grupo de professores, e tendo em consideração os graves constrangimentos da rede escolar das Caldas da Rainha associados à agregação de escolas, ao aumento do número de alunos por turma, à revisão curricular e às regras para a organização do ano lectivo, decidiu organizar uma reunião que se realizará no polivalente da Escola Secundária Raul Proença, na próxima 4ª feira, dia 18 de Julho, pelas 18h30.