Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

os partidos e o estado

05.07.12

 

 

 

O que faz com que este assunto seja notícia é o facto do nomeado ser arguido num caso de financiamento partidário, como se pode ler na notícia.

 

Os funcionários dos partidos e os políticos profissionais são necessários e haverá pessoas honestas nesses desempenhos.

 

Tem-se assistido, e isso é que tem aprisionado a democracia, a uma promiscuidade, entre a hierarquia do Estado e a dos partidos, que controla as nomeações para as funções públicas em detrimento dos concursos transparentes e do sufrágio directo e universal nos casos onde isso é possível e em que as boas práticas têm sido eliminadas.

 

Não admira que o cartão partidário seja o primeiro critério de nomeação e que os partidos se assumam como uma espécie de "donos da pólis" que certifica a cidadania de acordo com critérios que perpetuem os interesses mais diversos e, em muitos casos, não recomendáveis.

 

Ministério de Paulo Portas contrata funcionário do CDS-PP 

 

"A subsecretária de Estado do Ministério dos Negócios Estrangeiros escolheu para o seu gabinete um adjunto que é funcionário do CDS e fez constar isso mesmo no despacho de nomeação.(...)"

da blogosfera - os dias do pisco

05.07.12

 

 

Miguel Relvas, o ministro que merecemos 

 

O mesmo se passa com a corrupção. Somos um país aprisionado pela grande corrupção porque a pequena está "institucionalizada". Nem que seja na forma de cunha, compadrio ou plágio.

 

É como nas instituições e nas comunidades locais: vamos olhando só para o umbigo e para os interesses mesquinhos e quando damos conta estamos mergulhados na desgraça colectiva. Acusamos em surdina e damos o braço aos acusados em nome da sobrevivência. Essa forma não autêntica de agir nunca dá bons resultados: para os actores e para as instituições.

da blogosfera - a educação do meu umbigo

05.07.12

 

 

Repetirei muitas vezes: este modelo de gestão escolar foi pensado para uma sociedade civil forte, o que não é o caso da nossa, e leva para dentro das escolas o pior da política partidária local.

 

Se perguntaram aos membros locais dos partidos se devem interferir nas chefias das escolas, uma boa parte responderá que sim porque é o seu caderno de encargos. Se forem professores dirão que são os representantes da sua força partidária na escola onde leccionam.

 

O país está inundado de coisas destas, o próximo ano será demasiado elucidativo e a imagem da escola pública estará de rastos. Alguns dirão que o objectivo está finalmente cumprido e que foram duas décadas árduas, mas que os últimos anos revelaram-se determinantes e com protagonistas escolhidos a dedo.

 

 

A confirmar - saneamentos políticos na DREC?

 

aprenderam connosco

05.07.12

 

 

 

 

 

 

Nós estamos mais adiantados.

 

Já tivemos as PPP´s (parque escolar.sa no sistema escolar) e agora as pessoas não são ouvidas, não contam, não votam, são aconselhadas a emigrar ou ficam em trabalho "escravo", tudo coisas que na China ou em Angola parecem com tendência contrária. Bem sabemos que são sinais muito tímidos e que há muita gente a sofrer na defesa da liberdade. Não tarda estaremos nivelados na qualidade da democracia.

 

Cidade feita por chineses em Luanda tem tudo, menos pessoas

 

 "O objectivo era albergar às portas de Luanda cerca de meio milhão de pessoas. Mas, até agora, o empreendimento Nova Cidade de Kilamba não passa de mais um "elefante branco" angolano construído com dinheiros chineses.(...)"