Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

e há confiança?

22.06.12

 

 

Com o valor da palavra no estado lamentável que sabemos, alguém pode confiar numa declaração de um ministro? Custa escrever isto mas é assim.

 

É bem possível que não se saiba quantos professores vão ser contratados no próximo ano lectivo, mas o conjunto de despachos do MEC é inequívoco: existirão cortes no número de professores.

 

Para além disso, adivinha-se uma série de horários zero nos professores do quadro. E a questão que se coloca é óbvia: e no ano lectivo seguinte?

 

A polémica fica mais acesa por causa das opções do actual MEC nos achamentos da estrutura curricular, nas alterações à componente lectiva dos professores, no número de alunos por turma e nas agregações de escolas.

 

Ministro não quer professores do quadro despedidos

dias diferentes

22.06.12

 

 

 

 

 

Gosto que leiam o que escrevo e tenho sempre um contador para saber quantas pessoas frequentam o blogue e as suas proveniências. Tento não perder muito tempo como isso, e não perco mesmo, e não faço cedências para aumentar audiências.

 

O Correntes tem entre 1000 a 1500 visitas diárias, as páginas lidas têm uma média superior, e julgo que entre 800 e 1000 são leitores diários.

 

Quando faço um post sobre futebol ou gastronomia, e se ainda por cima fica em destaque na página do sapo como está a acontecer com o post de ontem sobre a selecção de Portugal, as visitas sobem vertiginosamente e entram comentários que estabelecem um debate diferente do habitual.

 

Discutir se o futebol é pão e circo tem pertinência, mas já não tenho muita paciência para esse registo. É como em tudo na vida: a sensatez deve prevalecer e não conheço aparelho de televisão que não possua um botão de desligar. É claro que tudo isso não é assim tão simples e os poderes formais usam os acontecimentos de massas com o habitual cinismo histórico, para além do futebol, a exemplo de outras actividades, movimentar recursos financeiros de origem muito duvidosa.