Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

liderar o flagelo

28.05.12

 

 

Como refere o blogger Ricardo Montes neste post, daqui a uns meses o desemprego nos professores será ainda mais acentuado. Depois de se saber que os professores, a par dos médicos, contribuíram para metade da redução orçamental com o desemprego e os cortes em salários e subsídios, os números hoje apresentados indicam que os docentes lideram destacados os números do flagelo do desemprego. É também mais uma machadada na propalada confiança nesse grupo profissional.

 

Ainda hoje o Ionline publicou um estudo (sem os detalhes empíricos, mas realizado em 12 países) que indica que os professores são os primeiros responsáveis pela motivação escolar dos alunos. Não é nada de novo e não se deve confundir desempenho escolar com educativo. O segundo é determinante e responsabiliza a sociedade, mais até do que as famílias, como a primeira e decisiva influência.

 

Contudo, parece que em Portugal há professores a mais e que apesar dos nossos números chocantes de insucesso e abandono escolares já abandonámos a ideia de combater mais um flagelo e estamos a regressar ao período das gerações espontâneas que elevarão os números referidos. A nossa prioridade está focada no branqueamento das PPP´s e dos casos tipo BPN, secretas e por aí fora.

 

 

estruturacurricular.xls

28.05.12

 

 

 

 

O ímpeto reformista da aposta nas disciplinas essenciais, da qual discordo e nem sei bem em que é que se baseiam os seus defensores mais acérrimos, é o principal derrotado na nova estrutura curricular. É evidente que as disciplinas do domínio das artes e das tecnologias já tinham sido penalizadas na proposta de Março, com o objectivo, agora ainda mais claro, que sobrepõe a redução de pessoas como meta essencial; essa sim.

 

Nem sei como é que o mainstream vai reagir depois dos aplausos efusivos na altura da proposição. O que talvez não esperassem os menos atentos, é que a folha de cálculo indicasse a aposta nas essenciais como aumento de despesa (basta pensar um bocado e não me apetece detalhar tanto desmiolo). Até lhes parecia linear que se tirassem de um lado podiam aumentar no outro, esquecendo-se que há pessoas pelo meio que até prestaram provas públicas para assinarem contratos com o Estado. Dá ideia que ainda há uma qualquer exigência de respeito pelas leis.

 

Se o tempo democrático tem na constituição a sua componente de longa duração, nas legislaturas a média existência e na opinião pública a curta sobrevivência, na democracia portuguesa parece que está tudo suspenso e que só prevalece a tese do bom aluno para além da troika. Até quando é a interrogação que se deve colocar.

por esta altura

28.05.12

 

 

 

O pequeno vídeo que escolhi retrata o eterno estado do sistema escolar e pode ser repetido todos os anos por esta altura. Há anos que é assim. Como a Educação nos países como o nosso é uma coisa secundária, qualquer Governo pode "reformar" que só prestará contas se os professores forem "corporativos". Só mais duas pequenas ironias antes da passar ao vídeo: tenho consciência dos riscos que corro ao passar um vídeo destes e tenho tido o cuidado de escolher vídeos que não ultrapassem os cinco minutos para respeitar a questão chave do nosso sistema escolar.