Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

pequenos passos

05.05.12

 

 

 

 

 

(da ontogénese da humilhação à filogénese da implosão)

 

 

Teria uns 12 anos e viajava com o meu pai numa estrada moçambicana fora dos centros urbanos. Estava, como quase sempre, um dia muito quente. Parámos numa "cantina" - espécie de áreas de serviço que eram, em regra, propriedade de comerciantes portugueses (os conhecidos metrôpoles) imbuídos do pior espírito colonial e que, talvez por isso, foram as primeiras vítimas da ira do povo moçambicano - e deparámos com uma dezena de homens, em tronco nu, de pele negra e bem suada e à volta de uma mesa que tinha uma bazuca - uma cerveja de litro e meio - no centro. Enquanto esperavam por uma qualquer refeição, o filho do comerciante, com uma idade igual à minha, atirava pão para os homens e repetia em tom jocoso: "hoje é dia de festa".

 

O meu pai esteve em silêncio e à saída disse-me qualquer coisa assim: "serão os primeiros a sofrer no dia da revolução". Lá me explicou o que é que queria dizer com o desabafo. Anos depois, a revolta "legitimou" a tragédia e as áreas de serviço arderam, e em muitos casos, com os comerciantes lá dentro. Foi também assim noutros capítulos dessa revolução. A cor da pele era o primeiro critério implosivo para humilhações acumuladas durante séculos.

 

As sociedades actuais não se devem considerar livres da ontogénese da humilhação. O bodo aos pobres deixa marcas. Os pobres não têm vergonha (a condição não o permite, sequer) e invadem os grandes espaços de gatas para afagarem a fomeÉ certo que o fazem, como também é de saber filogenético que um dia manifestarão em implosão social as sucessivas humilhações.

novidade?

05.05.12

 

 

Basta estarmos com atenção ao que nos rodeia para certificarmos a institucionalização do laxismo cívico, da pequena corrupção, do deixa-me-estar-sem-fazer-ondas-a-ver-se-me-safo e, como cereja em cima do bolo, na convivência ou condescendência humorada com comprovados caciques e politicamente delinquentes. Confundimos amiúde tolerância com falta de determinação e dever cívico com radicalismo ético. Somos um bocado baralhados.

 

Depois é só aumentar a escala, desenhar o país e sorrir com o leque de posições através desse caso Pingo Doce em que pobres combateram com pobres, literal, e ainda há pensadores que se refugiam nas filas de trapos ou de gadgets tecnológicos para um safanço sociológico da nação. Somos assim: nas manifestações, nas greves, nas tomadas de posição, na afirmação da cidadania e na veneração à corrupção e aos instintos totalitários. Estamos sempre preparados para apontar o dedo a quem protesta e para duvidar dias-sem-fim dos corruptos encartados que, e normalmente, até são absolvidos pelo voto.

 

O que é que podia ser ainda pior?

 

Justiça vulnerável à corrupção 

 

Portugal "chumbou" num estudo sobre combate  à corrupção. Há falta de vontade política, excesso de tolerância e incompetência. "Portugal é vulnerável à corrupção" e entre aquilo que a lei determina como formas de a combater e a prática das instituições "há uma enorme disfunção". Motivos? Há vários e nenhum deles abonatório para o país: incompetência, uma cultura cívica demasiado permissiva e, como cereja em cima do bolo, "uma enorme falta de vontade política".(...)"