Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

in tenebris / tróika city

27.04.12

 

 

 

 

 

 

Apesar do meu sportinguismo, troquei, ontem, o jogo pela estreia de mais uma peça do Teatro da Rainha. Não há sequer no que escrevi qualquer intenção de "pão e circo". Embora, e nos tempos que correm, tenhamos que reflectir sobre os modos que anestesiam a força da razão.

 

Os textos do então jovem Bertrolt Brecht são clássicos com oitenta anos e têm uma actualidade que vai ao osso. O Teatro da Rainha, para não variar, apresenta mais uma excelente produção. São sessenta minutos intensos que nos fulminam. José Carlos Faria, com uma espantosa versatilidade, e Victor Santos, sempre poderoso na colocação da voz, assinam interpretações inesquecíveis enquadradas pela encenação do primeiro e de Fernando Mora Ramos.

 

Deixo a ligação ao sítio na internet. Vale a pena navegar pelo site e apreciar a excelência do design. Por paradoxal que pareça, um dos momentos sublimes da peça é escrita a giz vermelho num quadro negro. Quando Victor Santos usa uma gravata para fazer o corpo de um T e começa a usar o giz nada se lê. Soube depois que o giz estava, intencionalmente, húmido. A leitura tornou-se progressivamente nítida e a ligação das letras era clara: Tempos das Trevas. Num tempo de tanta parafernália tecnológica, são brilhantes a simplicidade e o significado deste momento de encenação.

 

Pode saber mais aqui.

o que se vai evidenciando

27.04.12

 

 

 

 

 

Ficou célebre um vídeo publicado, algures em 2008, salvo erro, pelo blogger Miguel Pinto (não me apetece ir à procura e pode ser que o Miguel se lembre) em que um engenheiro que geria um programa de fundos estruturais no sistema escolar afirmou, de forma veemente, a sua indignação com o discurso anti-professores e anti-escola que estava enraizado no MEC.

 

Há muito que se conhece esse discurso. Existem algumas explicações e não se deve considerar que essa nefasta realidade não tem contribuído de forma determinante para a degradação do poder democrático das escolas (não tenhamos vergonha de repetir até a exaustão o substantivo, que a democracia é preciosa e só quem a perde é que se lamenta).

 

É natural que, num país tão centralizado e caótico na sua divisão administrativa, os poderes centrais se sintam protegidos por um qualquer ente e se atrevam a olhar com complexos de superioridade os inferiores hierárquicos espalhados pelo território dominado e que, em muitos casos, sofram da pavor do regresso às escolas e se atirem com desdém a quem por lá exerce funções ou à capacidade das mesmas para escolherem os caminhos que devem percorrer. Este privilégio de pequenos-poderosos-não-sufragados é desejado por muitos dos que estão nas escolas e temido por outros tantos. A coisa piora quando coincidem.

 

É também célebre o telefonema de um "responsável" escolar a perguntar pelo sítio lateral onde deveria colocar o selo branco. A experiência sempre me disse que há uma quantidade razoável de dirigentes escolares que passam a vida ao telefone, ou em presença física, com os poderes centrais e regionais. Estão sempre cheios de dúvidas, alimentam o discurso anti-escola e anti-professores, contaminam as estruturas como o Conselho de Escolas e são adeptos de tudo o que seja nomeação para cargos intermédios para formarem "equipas coesas". Têm pavor do contraditório e, em regra, deixam as instituições num estado pior do que o que encontraram. Nunca conheci alguém competente que desejasse esses meandros e isso explica muito do estado a que chegámos.

ei-las

27.04.12

 

 

 

Depois de um longo período de ausência, as agências de raiting regressam ao activo. Não deve ter qualquer relação com as eleições francesas, a não ser que Hollande queira mesmo fazer diferente dos restantes socialistas que têm governado na Europa nos últimos tempos. Contudo, a notícia não deixa muitas duvidas.

 

 

Standard & Poor´s corta raiting de Espanha em dois níveis

 

"(...)O risco da dívida soberana de Espanha está agora três níveis acima do “lixo” e a S&P avisa que Espanha tem de tomar novas medidas para apoiar a banca.(...)"