Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

não percebo

31.01.12

 

 

 

Se o furto de um dos produtos nos podia livrar da bancarrota, ainda é acusado?

Sem-abrigo condenado a multa de 250 euros pelo furto de polvo e champô 

A tentativa de furto de um polvo e de um champô, no valor de 25,66 euros, valeu hoje a um sem-abrigo a condenação ao pagamento de uma multa de 250 euros, que pode ser substituída por trabalho comunitário.

regressos e intemporalidades

31.01.12

 

 

 

 

Alguém deixou a revista da última edição do Expresso em cima da mesa e lembrei-me de ir ao site do semanário e digitalizar uma parte da capa. Há inúmeros testemunhos, e algumas evidências empíricas, que atestam a natural e histórica irreverência dos adolescentes. Mas há diferenças entre irreverência e falta de Educação.

 

A falta de confiança nos professores desenhada pelas políticas escolares dos últimos anos foi desastrosa e contribuiu para o clima vigente. Está comprovado. Reverter a situação leva tempo e requer acções, que vão da avaliação de professores à gestão escolar e passando pelo estatuto do aluno. Mas não chega. Como tenho defendido em ideias como esta, a sociedade, através do combate à ghuetização social e à exigência de mais tempo para os petizes, desempenha um papel nuclear. É fundamental mediatizar um ranking concelhio com os números do abandono e do insucesso escolares nas primeiras idades da escolarização.

 

Tenho por aqui opiniões interessantes do filósofo espanhol Fernando Savater, publicadas em 10 de Novembro de 2006.

 

"As crianças não encontram em casa a figura de autoridade", que é um elemento fundamental para o seu crescimento, disse o filósofo Fernando Savater.

 

Para Savater, os pais continuam "a não querer assumir qualquer autoridade", preferindo que o pouco tempo que passam com os filhos "seja alegre" e sem conflitos e empurrando o papel de disciplinador  quase exclusivamente para os professores.

 

(...)"são os próprios pais e mães que não exerceram essa  autoridade sobre os filhos que tentam exercê-la sobre os professores, confrontando-os", acusa.

 

(...)Muitos professores estão "psicologicamente esgotados" e se transformam "em autênticas vítimas nas mãos dos alunos".

 

(...)"A boa educação é cara, mas a má educação é muito mais cara", afirma, recomendando aos pais que transmitam aos seus filhos a importância da escola e a importância que é receber uma educação, "uma oportunidade e um privilégio".

 

(...)as crianças não são hoje mais violentas ou mais  indisciplinadas do que antes; o problema é que "têm menos respeito pela autoridade dos mais velhos".

 

(...)Daí que, mais do que reformas dos códigos legislativos ou das normas em vigor, é essencial envolver toda a sociedade.


poder e associados

31.01.12

 

 

Esta crónica de Paulo Morais tem vinte dias. Lembrei-me de a publicar a propósito dos desenvolvimentos sobre os despachos que inscrevem o pagamento dos subsídios de férias e de natal a assessorias das secretarias de Estado. O democracia ainda não está extinta. Quem comete ilegalidades e abusos de poder, e seja a que nível for, deve ficar ciente que o escrutínio público, mesmo que através de uma minoria mais corajosa, dará sinal de vida. As consequências são depois um problema da Justiça que, e infelizmente, não é tão célere como se desejava.

 

reencontros

31.01.12

 

 

Guardo do parque da Gorongosa, em Moçambique, imagens inesquecíveis, como relatei aqui. O actual administrador, Vasco Galante, tinha a concurso o seu blog da Gorongosa, nos blogs 2011 do Aventar, na categoria dos blogs estrangeiros de língua portuguesa. As redes sociais intermediaram o contacto e estivemos uns dias a trocar opiniões. "Ofereceu-me" um vídeo belíssimo.

 

 

 

não se aceita

30.01.12

 

 

Há dias publiquei um despacho dos Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino Superior e da Secretária de Estado da Ciência em que se fazia referência ao pagamento a uma assessora dos subsídios de férias e de natal em 2012. No dia seguinte houve um desmentido. Tinha sido cópia de um despacho anterior. Enfim.

 

Hoje temos mais uma coisa do género.

 

 


algum pragmatismo

30.01.12

 

 

 

 

 

Chegou-me por email um recorte do JN de 25 de Janeiro de 2012. Já é conhecida a posição do Conselho de Escolas em relação à formação cívica, conforme retrata a primeira imagem. Contudo, a lead da notícia, que inseri mais abaixo, inscreve um apelo ao reforço da Educação Física. Não conheço a proposta, mas posso chegar lá por indução. De acordo com o tempo actual das actividades lectivas (45 ou 90 minutos), é fundamental que a carga lectiva nesta disciplina passe para dois blocos de 90 minutos.

 

Apesar do tempo para exercício ser exagerado numa aula de 90 minutos, os professores podem sempre atenuar as desvantagens. O que se torna impossível é leccionar em 45 minutos sem ocupar, antes e depois das aulas, o intervalo dos alunos (quando existem, claro). Os jovens necessitam de 5 a 10 minutos para se equiparam e de outro tanto para se desequiparem e tratarem da sua higiene. Basta fazer contas elementares para se concluir que as aulas ficam reduzidas a cerca de vinte minutos.

 

Bem sei que nestas discussões da organização curricular é comum advogar-se com mais horas. Muito do que penso sobre o assunto está escrito neste post.

 

 

blogs 2011 - resultados

29.01.12

 

 

 

Correntes foi nomeado para o concurso dos blogs do ano de 2011 na categoria de Educação. Agradeço aos editores do blog Aventar. Imagino o trabalho que esta interessante iniciativa deve ter dado.

 

Conheceram-se hoje os resultados. Percebi o entusiasmo. Agradeço o apoio de todos os leitores, com destaque para a minha filha Filipa. A família e os amigos desdobraram-se em esforços. Sou, confesso, um tipo cheio de sorte porque estou rodeado de mulheres excepcionais.

 

O Correntes ficou em primeiro lugar como se pode ver aqui e na tabela que colo de seguida. Foi interessante concorrer com blogues de tanta e reconhecida qualidade e ter a oportunidade de alargar conhecimentos blogosfériscos e nas redes sociais.

 

 

 

 

 

um dia depois

29.01.12

 

 

 

 

 

 

Quando vi a primeira página do Expresso, convenci-me que o presidente Cavaco Silva deve pôr em rotação excessiva os neurónios dos seus spins; é uma espécie de homem quântico. Com a "gaffe" recente da sua reforma, li a saliência de primeira página como uma ajuda mútua: o governo dá popularidade ao presidente, uma vez que já se suspeita do desnorte da actual sangria ultraliberal, o governo fica com um almofada para mais uns cortes, mas não tantos como queria o ministro das finanças, e o presidente aparece como o keynesiano salvador.

 

 

 

 

Quando hoje vi a primeira página do Público, interroguei-me: e quem são os cavaquistas? Há aqui matéria interessante para acompanhar nos próximos tempos e, pelo que se pode ler, os cortes nas pensões são um dos pólos da discordância, a par das restantes políticas de austeridade.

aprendizagens provocadas

29.01.12

 

 

 

 

Angola está a aplicar "com rigor as boas práticas internacionais sobre migração", diz Luanda. Pois é. Portugal passa a vida a impedir a entrada de cidadãos angolanos (21 nos últimos sete dias) e Paulo Portas pede explicações por causa do veto angolano à entrada de portugueses; e logo o actual ministro que era um acérrimo defensor do encerramento de fronteiras aos fugitivos do "terceiro mundo".

 

O que acabou de ler é mais uma lição para os ex-impérios situados no sul da Europa. A Grécia, a Itália, a Espanha e Portugal foram centros do mundo e pioneiros na globalização, mas assemelham-se a aristocratas falidos que se arruínam convencidos da intemporalidade dos pergaminhos familiares. O mundo actual, o das oportunidades para os emergentes, é, talvez, mais igualitário do que nunca e exige relações internacionais em posição de igualdade.

 

Tenho ideia que no virar do milénio, e quando nos regozijávamos por pertencermos ao clube dos ricos, a nossa população olhava com superioridade o impedimento à entrada de imigrantes-pobres-e-não-qualificados. Nunca se pensou que o efeito boomerang fosse tão rápido.

 


 

 

Pág. 1/12