Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

do fácil

18.11.11

 

 

A construção de sociedades meritocráticas criam o vício da exclusão e nunca li ou ouvi: temos de encontrar os incompetentes a começar por mim. Os universos organizativos são pluridimensionais e apenas nos mais restritos ou competitivos se pode aplicar a máxima da substituição imediata dos insuficientes. Os outros, não esqueçamos. E o mais humano, e triste, é classificar-se a insuficiência como voluntária.

 

O difícil é pegar numa organização e fazê-la crescer com os que existem e criar modelos organizacionais que permitam que cada um dê o melhor de si. É como com os países: de nada vale subsitiuir os portugueses pelos filandeses se os mecanismos que nos empurraram para onde estamos não se alterarem.

 

Andamos há anos com o discurso da exclusão como sentido único. A fasquia da mobilização nunca terá estado tão baixa e só tem paralelo na ideia de cooperação. Instituímos o medo de existir e o temor-do-dia-seguinte. Fizémos o fácil. Agora que o aperto entrou em escalada, nem será preciso o passo em frente: basta ficar no mesmo sítio que o redor indicará o vazio.

a adulta

18.11.11

 

 

Passei pelo blogue "de rerum natura" e apanhei com o post "incultura" que se refere aos alunos universitários. Li o texto e os comentários. Aconselho ambos. Um dos comentários é de um dos jovens glosado (para ser brando) no texto como inculto. Já uma vez, aqui, fiz referência ao despropósito com que se desconsideram os nossos jovens.

 

Tenho idade e experiência suficientes para afirmar que, mesmo sem evidências empíricas, as nossas gerações têm sido paulatinamente mais informadas; mesmo entre os professores. Não gosto de amesquinhar quem quer que seja e custa-me ver professores a fazê-lo a alunos. Por vezes, aponta-se o dedo a um erro de dimensão variada para esconder as próprias insuficiências; como se errar não fosse crescer e como se fosse possível falhar sem tentativa e exposição. São sinais de uma sociedade doente; a adulta.