Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

artigo 10º, número 2

13.10.11

 

 

Foi hoje publicada, por acaso no dia anterior à aprovação no conselho de ministros do orçamento 2012, a portaria que garante às escolas cooperativas um aumento, em relação ao que gerou as manifestações do ano passado, no seu financiamento por turma. O artigo referido no título do post é curioso e exige um tecto mínimo para o número de alunos por turma. Talvez se perceba melhor o que move alguns interesses.

 

Pode saber mais neste post do Paulo Guinote.

orçamento 2012

13.10.11

 

 

A declaração do primeiro-ministro confirma o contrário do que disse após as eleições: afinal estamos ao nível da Grécia e os funcionários do estado vêem o seu rendimento liquido penalizado em 20% em dois anos. A receita do actual governo é brutal e determinada pelo poder financeiro que domina o mundo ocidental. Há uma interrogação curiosa que interessa fazer: estão "aprisionados" ou são testas de ferro?

 

Houve um detalhe na citada declaração que não percebi: a justificação que diz que 70% do orçamento deste ano já está comprometida. Mas se já estamos em Outubro, no mês 10 de 12, o que seria de esperar? Ou foi um lapso ou uma fraca encenação.

imagens nuas

13.10.11

 

 

 

 

Em 7 de Maio de 2008, escrevi o seguinte:

 

As pessoas registam e continuam estranhamente sossegadas. Nada de bom se adivinha. Os administradores hospitalares usam recursos públicos em telefones pessoais, cartões de crédito, automóveis e almoçaradas, os corruptos ficam absolvidos em tribunal porque o corrompido era vereador sem pelouro, os casos de financiamento partidário duvidoso são banais, os bancos e os negócios do sector imobiliário "aprisionaram" a sociedade até à medula, os fundos estruturais foram alvo de um fartar vilanagem, a comissão de ética da Assembleia da República é composta por pessoas - algumas, claro - cujo historial conhecido dá uma volta ao estômago, o desplante para ocupar lugares de decisão está num saldo inaudito e preocupante, e podíamos ficar aqui a debitar casos que explicam a parte maior da prevista e desgraçada condição financeira do país.

 

Lembrei-me do professor José Gil e do seu "imagem-nua e pequenas percepções". O prefácio é a propósito dos readymade e da análise detalhada à realização de uma escultura. Mas podia ser também da publicidade. As imagens estão por aí, vemo-las sem as vermos, mas ficam registadas, condicionam as nossas escolhas e vão-se perigosamente acumulando. Um dia, entrarão pelos estômagos adentro e já poderá ser tarde.