Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

extinção

03.09.11

 

 

O governo anunciou a extinção das Direcções Regionais de Educação. A intenção, segundo o MEC, não é"(...) apenas de mais uma medida para cortar a despesa mas, sobretudo, pretende-se uma simplificação administrativa, dar mais autonomia às escolas e melhorar a comunicação directa entre escolas e tutela(...)".

 

A ideia é muito positiva. Aguardam-se os desenvolvimentos. Espera-se que não se regresse ao tempo anterior à criação das Direcções Regionais. É bom recordar que estas nasceram para contrariar o asfixiante centralismo do MEC. É também bom não esquecer que vivemos num país com propensão para o caciquismo e que a autonomia tem de ser acompanhada de mecanismos que fiscalizem a responsabilidade e a transparência.

intervalos

02.09.11

 

 

A indisciplina dos alunos aumentava e os "especialistas" estavam desorientados. Os recreios tornavam-se infernais apesar dos números das matrículas de alunos baixarem acentuadamente. A solução inspirou-se no capítulo III do manual "especialista instantâneo em educação": reduza-se o tempo dos intervalos à sua expressão mínima.

 

E assim foi. A indisciplina passou para dentro das salas de aulas, mas os "especialistas" nada tinham a ver com isso.

do flagelo

01.09.11

 

 

A austeridade financeira desumaniza a paisagem relacional e o medo empurra-nos para o individualismo sem limites. O sofrimento eleva a condição: estamos irremediavelmente sós. Nada é permitido a quem cai no desemprego. É a dor do outro e as queixas recolhem-se fulminadas por olhares que logo se desviam.

 

Há cerca de 40 mil professores desempregados para gáudio dos fanáticos da partidarite política. Há nesses números diversas condições: desde jovens com um a dois anos de serviço até menos jovens com quase quarenta anos de idade e mais de dez de serviço. Não ignoramos o estado das finanças, mas impressiona ver como as causas do flagelo continuam intocáveis. A abundância na formação inicial de professores tem décadas de um registo no pior espírito das nefastas parcerias público-privado e o mercado da rede escolar começa a sentir-se de forma dilacerante.

aguentalex

01.09.11

 

 

 

- Não se importa que a anestesia seja Aguentalex? Perguntou-me o médico que me ia desinfectar um quisto sebáceo na cara. Estava por tudo, e mesmo que não estivesse, e respondi: - Qualquer uma serve, quero é despachar isto. O clínico voltou pouco depois com mais três homens que me iam agarrar porque a desinfecção tinha de ser a sangue-frio. Foi a meia-hora mais dolorosa que passei.

 

Os três aguentalex recordam-me a troika: anestesiam à força o doente e beneficiam da utilização de mecanismos psicológicos divertidos. A pergunta do médico traz-me à memória o recente altruísmo contributivo dos muito ricos que não se importam de taxar a pequena parte que não navega em paraísos ficais e que assim preparam terreno para a rapina às restantes classes sociais.

oportunidades perdidas

01.09.11

 

 

Santana Castilho foi um crítico contundente das políticas educativas dos governos de José Sócrates e mantém a posição em relação ao actual governo. A sua crónica de ontem, no Público, dá ênfase à seguinte série de oportunidades perdidas: "(...)Um Governo preparado teria tomado três medidas imediatas: alterar o modelo de gestão das escolas, responsabilizando todos, pela via eleitoral, pelas escolhas feitas; assumir que a avaliação do desempenho dos professores é parte da avaliação do desempenho das escolas, dela indissociável, e que estes processos não são compagináveis com modelos universais, outrossim instrumentos de gestão de cada escola; reformar drasticamente a Inspecção-Geral da Educação, reorganizando-a por áreas científicas e alocando equipas de inspecção a grupos fixos de escolas. Não ter feito isto, imediatamente, foi uma tremenda oportunidade perdida. Um Governo preparado, com estudo produzido durante seis anos de oposição, saberia como limpar o lixo administrativo e legislativo, que transformou os professores em escravizados burocratas de serviço. Nada ter acontecido neste campo, nestes dois meses, foi outra oportunidade perdida(...)."

 

Pode ler também aqui a crónica completa.

Pág. 9/9