Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

memórias em memória

30.09.11

 

 

 

 

Hoje foi o último dia de Eduardo Guennes Tavares de Lima (1937-2011), mais conhecido por Duda Guennes. O cronista brasileiro provou que não era necessário um acordo ortográfico para estabelecer a irmandade entre cidadãos. Conheci-o nas suas inesquecíveis incursões no jornal "A Bola".

 

Aprendi a ler esse jornal sem ser às escondidas. Desde pequeno que me habituei que um exemplar de "A Bola" era intemporal e para mais de uma centena de leitores. Encontrava-o no centro lúdico do BNU, na então Lourenço Marques, onde o meu pai trabalhava. Nunca tinha pressa. O trissemanário chegava no dia seguinte e lia-o dias depois para não ser incomodado. Fascinava-me a escrita dos redactores e sorria com a toponímia que vinha da europa. "A bola" instalava no meu imaginário um futebol feito por estrelas.

 

Cheguei a Portugal pouco tempo depois da entrada de Duda Guennes no jornal. Passei a ler "A Bola" no próprio dia, num exemplar pessoal e não transmissível. O encanto foi-se diluindo a exemplo do jogo em forma de constelação. Coisas do novo e rico mundo. Em 1995, perto do auge da abundância, o jornal passou a diário. Desconfiei. Ainda tentei ser um consumidor trissemanal, mas meses depois desisti. Nunca mais o comprei e perdi Duda Guennes.

 

Recordo-o assim:

 

"Argemiro Félix de Senna, o popular Sherlock, famoso árbitro pernambucano da década de 50 e 60, costumava mandar o jogador dar o troco sempre que reclamava da violência de um adversário. Num jogo com o América, Guaberinha, do Santa Cruz, queixou-se de uma entrada ríspida e Sherlock disse para que pegasse outro também. Guaberinha não conversou: na primeira, entrou com fé, esperança e sem caridade no primeiro que apareceu, fazendo-o rolar pelo relvado aos uivos. Imediatamente, Sherlock o expulsou: “Mas foi o senhor quem mandou”, justificou-se Guaberinha.
“Mandei, mas não na minha frente. Aí é desrespeito à autoridade e isso eu não tolero”, respondeu o severo árbitro.". Encontrei aqui.