Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

variáveis

09.09.11

 

 

 

 

Parte da metodologia estava definida. Tratava-se de aferir a correlação entre a variável dependente "altura de adolescentes com 12 anos" e a variável independente "consumo diário de leite".

 

Os investigadores socorreram-se de dois especialistas do MEC em provas de aferição. Na primeira reunião, um dos especialistas foi peremptório: de acordo com a nossa vasta experiência, e para a obtenção da variável dependente "altura de adolescentes com 12 anos", colocam-se os jovens mais pequenos em cima de cadeiras com 20,938 centímetros de altura.

 

(Rescrito. 2ª edição)

da história recente

09.09.11

 

 

A primeira década do milénio foi má para Portugal e o convencimento providencial foi fatal para o sistema escolar. Em 2002 e em 2005, os governantes foram investidos com a aura da infalibilidade e apoderaram-se de um olhar sobranceiro para quem se movimentava no terreno.

 

A segunda década do século XXI começa outra vez com a AD e com um país de tanga. Da vez anterior, o sistema escolar viu chegar a equipa de David Justino, o tal que só não contratava gestores para as escolas porque não tinha dinheiro para lhes pagar e que fazia fé em João Rendeiro do BPP. Trouxe um secretário de estado que se dizia cheio de provas dadas em anos de EXPO. Foi um flop técnico e fez uma mossa irreparável no depauperado crédito do sistema escolar; pagou-se caro porque abriu o atrevimento dos que se seguiram.

 

Quem não se lembra do concurso de professores feito pela Web? Uma boa ideia que descredibilizou a equipa governativa da Educação, porque a terraplenagem despreza até o bom conhecimento. Como os tempos são hoje ainda mais vorazes, a repetição de coisas do género resultará em ainda menos tempo de governação e não sei se o país aguentaria mais reformistas providenciais.

 

A incompetência de um sistema de informação acontece quando quem tem de fazer a gestão da informação desconhece o assunto e se limita a transferir procedimentos entre universos distintos. Sucedem-se os erros nos concursos de professores contratados. Alguns criam sérios problemas na vida das pessoas. Há milhares de professores definitivamente prejudicados pela incompetência do sistema de informação, onde se incluem as pessoas que o desenham ou lançam dados. Será mais uma década perdida?

 

 

 

(Rescrito. 2ª edição)