Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

do tal prefácio

16.06.11

 

 

Muitas linhas se escreveram sobre o prefácio do primeiro-ministro indigitado no livro de Castilho (2011), "O ensino passado a limpo". Entre a concordância com uma série de ideias que merecem consenso entre os que mais se bateram contra os desmiolos recentes, pode ler-se o seguinte na página 9: "(...)Por fim, é importante reconhecer que os últimos anos têm trazido uma burocratização insuportável em torno de todo o processo educativo, descaracterizando as missões dos diversos intervenientes, sobretudo notório no caso dos professores, e desvirtuando o propósito implícito aos procedimentos, como foi o caso mais revoltante da avaliação de desempenho.(...)". A escolha do adjectivo revoltante é surpreendente e deve ter perturbado as demoras nas filas de espera. Esperam-se os actos.

os fundamentos

16.06.11

 

 

"Se o sentido da política é a liberdade, isso significa que neste âmbito - e em nenhum outro - temos o direito de esperar milagres. Não porque sejamos supersticiosos, mas porque, na medida em que podem actuar, os homens têm condições para realizar o inverosímil e incalculável, e porque habitualmente o realizam, quer saibam quer não". Hannah Arendt (1906-1975).

 

Citação retirada do livro de Azevedo (2011:123)

Política Pública de Educação.

da blogosfera - o que eu andei...

16.06.11

 

 

O tempo das jotas.

 

"Chegou a vez dos quadros que se formaram nas jotas há um quarto de século. O significado desta situação tem sido amplificado por alguns comentadores que manifestam uma espécie de desconfiança intelectual perante a legitimidade de quem desta forma ascende à liderança dos partidos.
Não me parece que tenham razão. Uma carreira política é uma modalidade corrente em sistemas pluripartidários de aquisição e exercício de competências para a actividade política. Por outro lado, não está demonstrado, em tese, que o prestígio ou notoriedade adquiridos fora da vida política sejam garantias mais sólidas de probidade, rigor ou eficiência no desempenho de cargos públicos. Não estou convencido de que os professores, os juristas e os economistas profissionais estejam mais preparados para as funções da República do que os políticos profissionais."