Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

um dos passos

08.06.11

 

 

Os professores portugueses sabem que, nos tempos mais próximos, não vão recuperar os cortes salariais e que as progressões na carreira vão continuar congeladas. Todavia, esperam que haja mudanças nos assuntos sem implicações financeiras.

 

Logo que haja parlamento, esperam que o desmiolo da avaliação de professores seja suspenso de vez e arrumado no baú das desumanidades com a companhia dos efeitos em concursos e das inteligências que deram corpo ao SIADAP.

mitificações apressadas

08.06.11

 

 

Há umas pessoas muito adeptas do despojamento dos outros que mitificam a Alemanha como o lugar da disciplina, do trabalho e da seriedade; enfim. Nunca nos devemos esquecer que é o mesmo país que "recentemente" elegeu um socialista-nacionalista que perpetrou um holocausto e que há quem diga que os alemães negoceiam demasiado com todo o tipo de ditaduras corruptas por esse mundo fora.

 

Seja qual for o ponto de vista, os últimos dias deram para perceber o estado das coisas. Obama, com Merkel ao lado, foi claro numa conferência de imprensa recente: a Grécia não pode cair. E a Alemanha até já fala em reestruturação.

 

Obama e Merkel celebram a aliança entre EUA e Alemanha

história por esclarecer

08.06.11

 

 

O mar de contradições à volta da dívida dos países do sul da Europa continua com episódios diários. Se há pouco tempo alguém dissesse que a Alemanha ia divergir do BCE e exigir a reestruturação da dívida grega, teria sido acusado de lunático. É bom recordar que os nossos especialistas de direita eram taxativos: quem propuser uma reestruturação pode ficar um século sem acesso ao mercado de capitais. Afinal, em que é que ficamos? Estranho, no mínimo.

 

É evidente que ninguém consegue pagar estas dívidas e muito menos com taxas de juro tão altas. Quem estimulou, por interesse de alargamento do seu território e do seu mercado, o consumo dos países de sul não pode sacrificar tudo ao calendário eleitoral interno. A bancarrota de uns será a de outros.

 

Alemanha pretende reestruturação da dívida grega e colide com posição do BCE