Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

derrota histórica

05.06.11

 

 

Pouco mais de 5 anos depois, este PS consegue desbaratar o seu eleitorado e sair pela porta pequena. Deixa o país entregue a uma maioria de direita acompanhada por um presidente da mesma área política. Digamos que este resultado foi desenhado tão de início que as suas consequências eram inevitáveis: quem começou a governar com tanto aplauso da direita, só podia esperar que o eleitorado acabasse por mudar apenas com base nas questões de personalidade do ainda primeiro-ministro.

 

Por incrível que possa parecer, os partidos da esquerda não beneficiaram da erosão eleitoral. Partindo duma análise por indução, olhando também a partir dos assuntos da Educação, podemos dizer que o bloco foi penalizado pela estratégia presidencial em pareceria com este PS e que o PCP não conseguiu explicar os inexplicáveis entendimentos e acordos com uma ala do PS que não percebeu que o massacre de má burocracia relega as pessoas para o lugar do medo.

 

Em conclusão, a esquerda deve aprender a lição. A falta de autenticidade paga-se cara. Pela minha parte, olho para os resultados eleitorais e vejo o "esmagamento" do meu voto. É a democracia. Amanhã é outro dia e continuo em defesa da cidadania e da liberdade.

fim de um capítulo

05.06.11

 

 

Seis anos depois, e com muito sofrimento pelo meio, um conjunto significativo de professores portugueses tem o coração a rejubilar de dever cumprido. Nunca tinha vivido nada assim. O dia 5 de Junho de 2011 fica marcado pelo fim de um capítulo trágico para o poder democrático da escola no seu mais amplo significado. Amanhã iniciar-se-á uma nova fase. Espera-se que o que se passou sirva de lição e que nada de parecido se repita. Desculpem localizar nos professores, mas os que passam por aqui sabem a quem dirijo as palavras de sinceros parabéns.

se

05.06.11

 

 

Há pouco tempo, Pacheco Pereira, um insuspeito de simpatizar com as causas defendidas pelos professores, escreveu assim a propósito de José Sócrates: "(...)mas também algum corporativismo à mistura, como se passa com os professores, os únicos que o venceram até agora.(...)".

 

Pois é. Se o ainda chefe do governo de gestão perder estas legislativas, há um conjunto de professores, denominados de resistentes, que se podem sentir vitoriosos no encerrar deste duríssimo capítulo. Talvez os menos conhecedores dos problemas das escolas considerem um exagero. Talvez: o desconhecimento gera esses raciocínios. O que nunca poderão dizer, é que muitos dos professores do seu país não são cidadãos de corpo inteiro. Foram os primeiros a acordar, tinham o resto do mundo contra si e não se esquecem que muitos desses adversários eram também os prováveis mais votados de hoje.

clássicos

05.06.11

 

"...Dar sentido à vida. Para lho darem aos domingos, quando não trabalham, os campónios da aldeia embebedam-se e dão-se facadas. A arte do nosso tempo sabe-o e faz o mesmo...

... Ser inteligente é ser desgraçado. O imbecil é feliz. Mas o animal também....

... Ser livre em relação a tudo é ter uma liberdade inútil, por que inteiramente disponível. Ser livre em relação a tudo é igual a ser determinado, por que num caso e noutro não há escolha nenhuma. A liberdade é então uma função sem destino e vira-se para si própria como um estômago vazio....

... Porque a eternidade não se mede pela sua duração mas pela intensidade com que a vivemos...

... Visitar uma terra que há muito deixámos. Não poderemos jamais reencontrá-la. Porque a vida é o presente e tudo o mais é ficção. Mas decerto uma ficção mais real que a realidade...

... Uma biblioteca é quase tão pessoal como as impressões digitais. Ela forma-se como os problemas que nos formaram a nós e outros virão a abandonar...

... Uma forma de o medíocre convencido imitar a grandeza é não dizer mal de ninguém...

... Pinta-se o galo mas não a galinha, o touro mas não a vaca. Porque o macho é que é testiculado. Mas à mesa o que se come é vaca ou galinha, mesmo que a carne seja do outro. Somente a mesa é o lugar da fraqueza e da necessidade. É por isso que é aí que se fazem os melhores negócios".

 

 

Vergílio Ferreira, Pensar

Reedição