Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

mais um

19.02.11

 

 

 

Aparecem como cogumelos os movimentos nas redes sociais. O Protesto Geração à Rasca já tem mais de 11 mil pessoas no facebook e afirma-se como ""apartidário, laico e pacífico", reivindica o direito ao emprego, o fim da precariedade, a melhoria das condições de trabalho e o reconhecimento das qualificações."

 

O movimento que reivindica 1 milhão na Avenida da Liberdade pela demissão de toda a classe política tem mais de 24 mil pessoas no facebook e parece estar em vias de convocar a dita manifestação.

 

Mais ou menos controversos, estes movimentos são um sinal dos tempos e a qualquer momento um deles pode tornar-se num caso sério para a sociedade.

patologia

19.02.11

 

 

 

A patologia da medida é uma forma de ocupar professores sem sala de aula. Porém, medir não é uma acção a rejeitar. Melhor, muito melhor mesmo, andaria o sistema escolar se as toneladas de informação obtidas produzissem conhecimento ou se alguém conseguisse pensar que os dados a obter deveriam servir tomadas de decisão ou arquivos históricos relevantes.

 

Como os saberes da gestão escolar estão escondidos das academias, e do ME, para darem lugar aos empresariais e aos da cultura geral, os modismos afirmam-se de forma patológica. É o que se passa quando se quer prever a medida sem estudar ou explicar o processo que a ela conduz.

 

Mas a patologia que os últimos anos mais inscreveram foi a da mentira e da farsa. Uma praga de cima a baixo. O que interessa é dizer o número, retirando-se qualquer importância ao rigor que o suporta. Qualquer que seja o suporte onde o algarismo é inserido, a ideia de batota e do preenchimento pelo preenchimento prevalece. Já ninguém se abstém, sequer, de tornar pública a mentira numérica.

 

 

Escolas. Directores lançam metas até 2015, mas avisam que não vão cumpri-las

 

"(...)Governo quer que as escolas subam os resultados dos alunos. Directores dizem que os cortes orçamentais os impedem de cumprir promessa.(...)"

avaliação ilegal?

19.02.11

 

 

Os professores contratados já serviram de moeda de troca em mesas de negociação e de mais outras coisas que não me apetece agora referir. Estou bem disposto e não me quero enjoar. Se quem se interessa pela justiça e pela democracia ler que "(...)Penso que, neste momento, o augúrio democrático e legal que se impõe é o de evitar que uma ADD que legalmente não existiu produza efeitos, nomeadamente no concurso docente deste ano.(...)" é capaz de ficar um bocado baralhado.

 

Para saber mais clique aqui.