Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

da democracia

09.02.11

 

 

 

Os partidos do arco parlamentar estruturaram as nossas organizações políticas e os do arco do governação a possibilidade de formação de executivos. Podemos afirmar que o voto que leva ao poder governativo está balizado e oscila no denominado centrão. Há, decerto, democratas em todas estas organizações políticas.

 

A democracia não é eterna e os seres humanos não são santos. Para encontrar fanáticos, populistas, totalitaristas (os FPT´s, digamos assim) e por aí fora não é necessário viajar para Marte.

 

Quando surgem novos partidos, movimentos de cidadãos, blogues e outras iniciativas da sociedade civil, há muitos que se apressam a empunhar as bandeiras dos perigos para a democracia. É importante que o façam para os dois lados. Ou seja: as democracias entram em crise porque os órgãos instalados se revestem de FPT´s que só se contêm enquanto a oportunidade não surge. E sejamos francos: não há pior doença para a democracia do que a corrupção, coisa que os partidos políticos vigentes conhecem bem e que cultivam quando defendem internamente, e de modo pragmático, que o exercício do poder é para os "espertos". O caderno de encargos duma boa parte dos nossos partidos está mais perto da oportunidade de "negócio" do que da transparência e da honestidade.

 

A imparcialidade exige que se reconheça e combata estes flagelos.

 

Mas não basta aparecer. É preciso que a agenda seja clara e consequente. Se surge um movimento de professores, para dar um exemplo mais de acordo com a maioria dos leitores, não é aconselhável que numa hora de discurso 59 minutos sejam ocupados com críticas aos sindicatos.

fumo de que cor?

09.02.11

 

 

 

Dirigentes escolares estarão em reunião.

 

Saliento este ponto da agenda:

 

"(...)neste momento de grande agitação no nosso sistema educativo, os dirigentes de escolas públicas assumam as suas responsabilidades, compareçam a este “Encontro” e tomem posições firmes em defesa da qualidade da educação que todos os dias, nós e todos os outros professores, desenvolvemos nas escolas públicas portuguesas.(...)"

Avaliação dos professores volta ao Parlamento

09.02.11

 

 

Pode ler aqui a notícia completa. Se esta farsa não tiver efeitos nos concursos é um bom ponto de partida.

 

 

"O Parlamento volta na quarta-feira a discutir a não consideração dos efeitos da avaliação de desempenho dos professores nos concursos de colocação, na sequência de projectos de lei do PCP e Bloco de Esquerda.

A matéria já foi debatida (...)

Agora, já na segunda sessão legislativa, PCP e Bloco de Esquerda recuperam a intenção de que os resultados da avaliação de desempenho não produzam efeitos na lista de graduação nacional de professores.

Até ao anterior concurso contava apenas a nota de curso e os anos de serviço. Com a alteração introduzida pelo Governo nas regras, um docente avaliado com "Muito Bom" recebe mais um valor, enquanto um professor classificado com "Excelente" é bonificado em dois valores.

«Por motivos que são absolutamente alheios aos professores, um determinado professor pode ser substancialmente prejudicado no concurso apenas por ter sido sujeito a um regime de avaliação diverso», afirmam os comunistas, na exposição de motivos.

Alegando que «são várias as situações de tratamento desigual de docentes que se encontram na mesma situação»,(...)"