Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

resiste a luta jurídica nas escolas públicas

11.12.09

 

Foi daqui.

 

 

 

Os Conselhos Executivos que se decidiram pela luta jurídica no sentido de verem consignado o direito a cumprir os seus mandatos até ao fim, têm visto os tribunais darem-lhes razão na quase totalidade dos casos. Isto prova que esta legislação tem muitas lacunas e que o desrespeito pelo poder democrático das escolas por parte do anterior governo não foi sancionado pela esmagadora maioria dos juízes.

 

Importa que se discuta em detalhe o que se está a passar no terreno. Para além do cumprimento da legalidade que, e ao que se vê, tem muito que se lhe diga, é fundamental perceber o que se está fazer com o poder democrático das escolas públicas. E se desta vez assistimos, e na maioria dos casos, à passagem dos presidentes dos Conselhos Executivos para directores executivos, na próxima já não deverá ser assim. E com esta legislação, adivinham-se mais cenas impróprias para consumo mas com factores ainda mais pandémicos.

 

Por outro lado, se a atmosfera relacional das escolas já está como se sabe, imagine-se o que pode acontecer com o andar da carruagem. A profissão de professor tem exigências de índole cooperativa que são quase impossíveis de fomentar neste contexto.

 

 

Conselho Executivo de Escola de Coimbra resiste até Julho

 

"Os elementos do Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas de Coimbra Inês de Castro, que há meses travam uma batalha jurídica com o Ministério da Educação, conheceram ontem a sentença da acção principal proferida pelo Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra (TAFC), que lhes foi favorável.

Contra aquele que foi o parecer da ex-ministra Maria de Lurdes Rodrigues, deverão manter-se nos cargos e cumprir os mandatos de três anos para que foram eleitos.
Em causa, neste processo, o novo modelo de gestão das escolas que, de acordo com o gabinete da ex-ministra da Educação, Maria Lurdes Rodrigues, determinava que até 31 de Maio de 2009 deviam estar escolhidos os directores em todos os estabelecimentos de ensino, sem excepção. Na generalidade das escolas do país, a decisão não encontrou resistência, porque os elementos dos CE já tinham terminado os respectivos mandatos ou abdicaram de o fazer.(...)"

 

na blogosfera

11.12.09

 

 

 

A inveja; aqui e de seguida.

 

 

"A inveja

 

Destacamos, como vem sendo hábito, a crónica do médico psiquiatra J.L. Pio de Abreu, no "Destak":

Neste pequeno mas mexido País, toda a gente já foi tudo, todos já se iludiram e desiludiram. E toda a gente se conhece o suficiente para perceber que nenhum outro é melhor que nós.

Mas acontece que, às vezes, os outros, aqueles que não são melhores que nós, têm, na verdade, mais sucesso. É aí que se instala a inveja, sobretudo essa inveja destrutiva que clama por justiça e vingança. Se os outros não são melhores do que nós e, apesar de tudo, conseguiram ir mais longe, é porque fizeram falcatrua.

É interessante descobrir que os futebolistas escapam a este destino: só neste caso, a inveja cede à admiração. Talvez seja porque, à partida, ninguém os conhece, vieram da periferia, não têm nomes de família. Mas também pode ser pela sobranceria com que ainda vemos os jogadores de futebol, coisa a que eles se prestam com uma humildade cultivada.

Também pode ser porque o futebol não estava nos planos de belezas desfeiteadas, homens mal-amados, princesas em declínio, actores sem plateia, personalidades apeadas, ressentidos em geral e todos aqueles que, sentados nas suas frustrações, vão descarregando o fel nas conversas casuais, nos comentários da internet ou em inesperadas janelas de protagonismo.

Todos incham de portugalidade com um golo bem metido. Mas quando olham para as pessoas a seu lado, para aqueles que podiam estar como eles, mas estão melhor ou mais activos, o mal da inveja aperta-lhes o estômago, dilata-lhes os olhos e transtorna-lhes o raciocínio.

J.L. Pio Abreu"

 

inundação

11.12.09

 

 

Foi daqui.

 

 

 

Dei uma saltada aos jornais online e li demasiadas notícias relacionadas com casos de corrupção e de acções lesivas por parte de empresários e gestores públicos. Empresas como os CTT, Refer, EDP, Galp, Lisnave, Portucel, por exemplo, foram todas alvo do tal de fartar vilanagem. São tempos estranhos estes. A honradez e a dignidade arrastam-se pela lama e parece valer qualquer meio para se atingir fins individuais nem que com isso se dê cabo das organizações que se diz servir.

 

Número de empresas envolvidas no processo "Face Oculta" não pára de aumentar

sinais dos tempos

11.12.09

 

 

 

Foi daqui.

 

 

Surpresa com o relevo dado a trapalhadas e invocação do cumprimento da lei mesmo que com isso se abalem princípios de transparência. Isto não está a ter um bom início.

 

 

 

 

Isabel Alçada diz-se “surpreendida” com relevo dado à nomeação da directora regional do Centro

 

 

Ministra garante que financiamento de “Magalhães” decorreu “de acordo com a lei”