Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

afinal a autonomia das escolas acabou porque era cara

08.05.09

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Ministra da Educação defende reformulação do financiamento das privadas


"(...)Se não tivermos a coragem de reformar o sistema de financiamento, não é possível aprofundar mais a autonomia", acrescenta Maria de Lurdes Rodrigues, realçando que já foi verificado na prática que a autonomia se traduz num aumento de custos que "é absolutamente incomportável, porque os recursos do Estado são finitos(...)".

 

 

Pois é: nem sei se foi porque, e ao que me dizem, a senhora ministra da Educação já está em estado de fim de festa ou se foi um lapso. Mas o que é um facto, e uma evidência, é que o actual governo quis decretar o fim da autonomia ainda incipiente das escolas (num processo que teve o seu decretado início em 1998) porque o processo tão propalado como imperativo ficava muito caro (o que estará por provar, claro). Por isso, também se decretou um modelo unipessoal de poderes e responsabilidades mas dependente hierarquicamente da avaliação de um director regional. E como se sabe, tudo isso obedeceu a uma lógica que a citada ministra desde logo estabeleceu: as escolas são repartições do estado; é como Derek Curtis Bok (por cortesia do Rui Correia) disse: "se a educação é cara, então experimente-se a ignorância". Triste fim para o consulado de quatro anos perdidos e de notório retrocesso do partido que suporta este governo. Mais do que um lapso, assiste-se é à queda da máscara.

da barragem jurídica...

08.05.09

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Pedido De Fiscalização Abstracta Sucessiva Da Constitucionalidade Do Simplex – Parte 1

 

"Como foi hoje o dia para a entrega e sendo um documento público, aqui fica o texto do pedido acima citado, aproveitando para esclarecer que a lista final de assinaturas foi maior do que a inicialmente divulgada neste blogue, pelo menos com mais nomes do PS."

 

Pode saber tudo aqui, no blogue do Paulo Guinote.

do debate que não foi feito antes de...

08.05.09

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Deputada classifica 'Magalhães' como um "desastre pedagógico"

 

"A deputada independente Luísa Mesquita classifica o programa de distribuição de computadores Magalhães às crianças do primeiro ciclo como um "desastre pedagógico", considerando que em muitas escolas os alunos ainda não receberam o portátil por incumprimento sucessivo dos prazos.

"Escolas existem que até hoje não tiveram à sua disposição o número de 'Magalhães' suficientes para todas as crianças que as frequentam, tão só porque os compromissos com os prazos, protelados de incumprimento para incumprimento, não têm sido respeitados", critica a deputada num requerimento enviado esta semana ao Ministério da Educação (ME).

No documento, Luísa Mesquita lamenta ainda o caso de famílias que continuam à espera de receber o computador, apesar de já o terem pago há várias semanas.

"Como justifica o Governo o pagamento antecipado de um bem pedagógico que, em muitas situações, já tem a entrega atrasada vários meses", questiona, exigindo saber quantas crianças já receberam o 'Magalhães' e quantas estão inscritas, mas ainda não podem contar com o portátil.

Apesar de a tutela ter garantido no final de Março que todos os 'Magalhães' pedidos até esse mês seriam entregues até à Páscoa, cerca de 80 mil das 400 mil crianças inscritas no programa e-escolinha ainda não receberam o computador, segundo dados do Plano Tecnológico da Educação.

No requerimento, a deputada independente repudia ainda os erros de ortografia, sintaxe e semântica que foram detectados "no já triste célebre 'Magalhães'" e que o ME garante já terem sido corrigidos."

 

Tudo muito apressado, interesses vários em jogo e muita manipulação mediática. Mas que raio: são crianças, senhores.

 

 

tiques até em fafe?

08.05.09

 

 

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

BE chama ministra para explicar demissão de coordenador em escola de Fafe

 

"O BE chamou hoje a ministra da Educação ao Parlamento para explicar a demissão de um coordenador de uma escola em Fafe, por este alegadamente "não ter mobilizado" a comunidade escolar para a inauguração de uma nova biblioteca.(...)

Para a deputada do Bloco, "o que está em causa é a aplicação do novo modelo de gestão das escolas que dá poderes totalitários ao director, de nomear e destituir coordenadores a seu bel-prazer". "Percebemos agora que as escolas vão ser instrumentalizadas para as diferentes inaugurações e que os directores não devem zelar pela qualidade educativa mas têm de arregimentar pessoas para inaugurações de bibliotecas escolares”, lamentou.(...)"

 

 

nacionalização de prejuízos

08.05.09

 

 

Associação de escolas privadas exige educação gratuita para todos 

"Face ao crescente número de pais no desemprego e sem capacidade para pagar as mensalidades dos colégios e escolas privadas, a Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (Aeep) apela ao Governo para que garanta a permanência dos alunos, nas mesmas escolas, beneficiando de ensino gratuito.

“Se os pais ficarem desempregados, alguém tem que ajudar a família. É necessário que se faça justiça e que o ensino seja gratuito”, defende João Alvarenga, presidente da Aeep. Hoje e amanhã, a associação reúne-se em congresso para debater a “autonomia educativa e a liberdade de projecto”, em Lisboa."

 

Um processo que deve ser seguido com toda a atenção. Tenho ideia que será mais uma versão da já célebre "privatização de lucros e nacionalização de prejuízos". E há ainda outro detalhe: as escolas cooperativas, que são financiadas pelo orçamento de estado, estão metidas nisto a que propósito? Será que nessas escolas os encarregados de educação pagam mais qualquer coisa do que nas escolas públicas? Estranho, muito estranho. E já agora: as escolas cooperativas, financiadas pelo estado, dão lucro?

youth without youth

08.05.09

 

"Youth without youth" ("Uma segunda juventude" na tradução portuguesa") um filme menor de Francis Ford Coppola, mas a ver.

 

Um argumento na linha do "estranho caso de Benjamim Button".

 

Um trailer de dois minutos pode aguçar o apetite.

 

Ora clique.

escola e democracia

08.05.09

 

 

Ao passar pelos meus blogues de referência, dou com uma entrada, aqui, que deve lançar o mote para uma discussão fundamental.

 

Ora leia.

 

Dimensões e limites da autoridade democrática: a escola

 

"Editada originalmente em 1987, a obra de Ami Gutmann, directora do Centro de Valores Humanos da Princeton University, Democratic Education, coloca questões que permanecem na ordem do dia. A educação continua a ser um dos problemas mais importantes da vida política e a política de educação remete para um debate de teoria política. Em democracia, a educação é um aspecto central da relação entre Estado e famílias, das modalidades de controlo democrático do serviço público e da actividade de profissionais, do funcionamento dos sistemas de participação, autoridade, deliberação. A educação democrática é reveladora e constituinte da liberdade, da cidadania, da igualdade de oportunidades, da não discriminação, da tolerância, do cosmopolitismo e do multiculturalismo. Não há cultura democrática e educação política sem escola democrática.

 

Um excelente contributo para a reflexão política. Tradução em língua castelhana Amy Gutamann, La Educación Democrática. Una Teoria Política de la Educación. Barcelona, Paidós, 2001."