Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

jazzvalado 2009

07.05.09

 

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Começa hoje o imperdível festival de jazz de Valado de Frades na sua edição de 2009. Tenho as mais emocionantes memórias de todas as edições deste singular momento de verdadeira fruição cultural. Sempre com a direcção do conhecedor e incansável Adelino Mota, o festival do Valado é já um clássico. A atmosfera em que decorrem as várias "performances" é muito envolvente e garante uma presença de um público muito interessado e exigente.

 

Hoje, e como muita pena, confesso, não vou lá estar.

 

Encontra no sítio da internet do festival, aqui, toda a programação.

e tudo começa na estafada manipulação dos números

07.05.09

 

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Deputada do PS considera “lamentável” denúncia de apoiante de Alegre

 

"Manuela de Melo, deputada socialista, considerou hoje “lamentável” que a militante do PS apoiante de Manuel Alegre, Rosário Gama, tenha interpretado “como uma atitude persecutória” as questões que através do Ministério da Educação lhe foram colocadas pelo grupo parlamentar daquele partido sobre as declarações que fez ao semanário "Expresso", a propósito das faltas dos alunos.(...)"

"(...)Também contactada pelo PÚBLICO, a deputada socialista Teresa Portugal, que em questões de divergência com a direcção do partido tem votado ao lado de Manuel Alegre, escusou-se a dizer se considera que se trata de um caso de perseguição. Mas comentou a polémica frisando “que o principal papel dos deputados é garantir o cumprimento da Constituição e fiscalizar o Governo”, para concluir que “alguma coisa vai mal quando estes preferem centrar a sua atenção nas declarações que um cidadão faz aos jornais"(...)
“Os presidentes dos conselhos executivos de escolas que se referiram ao assunto foram claríssimos quando explicaram que os professores, que já estão sobrecarregados, evitam marcar faltas por motivos de menor importância, para não terem de fazer provas que prejudicariam a actividade pedagógica”, diz. Recorda, também, que os deputados poderiam ter pedido esclarecimentos directamente ao Ministério da Educação ou ter visitado as escolas em causa e conversado directamente com as pessoas visadas"

 

Já o escrevi por diversas vezes: a febre que este governo revela na apresentação apressada de números e mais números consegue criar situações de completa desorientação e manipulação e que são, como se sabe, um mote para o exercício do despautério por parte dos menos preparados para a cultura democrática e dos que só querem agradar aos chefes custe o que custar; e assim se vão instalando os tais tiques repressivos que seriam impensáveis no partido político que suporta o actual governo e que vão magoando, aqui e acolá, pessoas com um elevado sentido de serviço cívico.

desobediência

07.05.09

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

França: professores em desobediência pedagógica

 

 

"Começou com um acto de recusa individual de aplicar um decreto ministerial que acrescentava duas horas por semana aos “maus alunos” na primária, segregando-os e estigmatizando-os. Na verdade, o objectivo profundo desta medida não destoa do que conhecemos no nosso país: despedir os milhares de professores de apoio das chamadas RASED (redes especializadas de apoio a alunos com dificuldades). Alain Refalo, o primeiro professor a declarar desobediência pedagógica, decidiu, com o apoio dos pais utilizar essas horas para desenvolver um projecto de teatro com todos os alunos. A recusa seguiu por escrito para a inspecção e a partir daí passou-se da disputa pedagógica para a ameaça disciplinar.
Outros seguiram Refalo e surgiu um movimento colectivo de desobediência que não se opõe apenas a este decreto mas em toda a reforma governamental do ministro Darcos com o seu cortejo de despedimentos com o aprofundamento da precarização da classe, com a criação de “novos” programas acusados de conservadorismo.
Das ameaças o poder passou às sanções. Bastien Cazals foi o primeiro sancionado tendo-lhe sido retirados doze dias de salário devido à sua recusa de aplicar o referido diploma. Depois Refalo seguiu o mesmo caminho, tendo vistas descontadas oito dias por mês a partir do momento em que se declarou em desobediência.
A repressão, ao invés de fazer desistir os insubmissos, fez crescer o movimento que hoje se conta já pelos milhares (entre os que declaram por escrito a sua desobediência às autoridades e os que desobedecem sem fazer qualquer comunicação).
A seis de Maio lançam mais uma “jornada de desobediência” na escola.
Quem quiser seguir o movimento pode ler o seu blogue 
aqui.
Quem quiser ouvir as suas razões pode fazê-lo 
aqui.
Carlos 
Carujo, São Brás de Alportel"

crónicas da sagrada escritura

07.05.09

 

 

João Miguel Tavares publica hoje no DN uma interessante crónica recheada de uma ironia que me fez sorrir.

 

Ora leia.

 

 

A pancada em Vital Moreira à luz da Sagrada Escritura

 

"O calendário dizia 1.º de Maio, mas eu estou certo de que era Sexta-Feira Santa. Vi um senhor cabeludo, com um ar simultaneamente delicado e sofrido, a caminhar por entre uma multidão em fúria que o agredia aos gritos de "traidor, traidor". Desfile do Dia dos Trabalhadores? Nada disso: nova versão da via-sacra, com Vital Moreira a caminho do Gólgota. Infelizmente, a multidão estava a levar tão a sério o seu papel que o ungido do PS às europeias resolveu pisgar-se antes de chegar à parte da cruz. Quem naquela situação tivesse agido de outra forma que atire a primeira pedra.(...)"

 

 

processo das cap´s

07.05.09

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Registo, na blogosfera, duas entradas à volta do novel processo de ocupação de escolas, mais conhecido por comissões administrativas provisórias (CAP´s).

 

 

Crónicas De Freixianda - Hoje, 4ª Feira, Dia 6

 

"Hoje na Escola da Freixianda foi a reunião geral de professores com a nova CAP. À parte a conversa esperada do “pertencemos todos à mesma equipa” e “a lei é para cumprir”, dois momentos se destacaram:

O primeiro foi quando os professores quiseram saber o currículo da nova direcção. Começaram por se recusar terminantemente a responder a isso e mandaram os interessados perguntar à DREL. Perante a insistência, resolveram responder que na verdade nenhum dos membros tem qualquer experiência em gestão escolar, embora a nova presidente tenha uma pós-graduação nessa área.

O segundo momento foi quando declararam que, seguindo indicações da DREL, todos os órgãos se mantinham em funções, excepto o Conselho Executivo demitido e que, devido à falta de experiência da nova equipa, a presidente cessante passava a assistir como convidada às reuniões do Conselho Pedagógico! Para ajudar! A vice-presidente cessante pediu então que essa informação fosse confirmada por escrito, porque contradizia a informação prestada presencialmente pela mesma DREL, na reunião da semana passada, segundo a qual todos os órgãos cessavam funções com a exoneração do Conselho Executivo.

Está instalado o circo!

Um pormenor interessante para se aferir a estratégia: para já, a palavra de ordem é serenidade e só no início do próximo ano lectivo é que tentarão formar o CGT, depois da mobilidade de professores decorrente do concurso. Em raciocínio directo, isto significa que do actual corpo docente não esperam grande colaboração nesta matéria, e tentarão a sorte com os novos colocados ainda não corrompidos pela peste da resistência.

Um(a) professor(a) do Agrupamento"

 

CAPturas

 

 

"O que se está a passar em Freixianda é quase tão demente como aquilo que se passa em Sto Onofre. Bem se sabe que em Sto Onofre é inqualificável que esteja esta escola nas mãos de pessoas oriundas, pasme-se, de sindicatos, indivíduos que nunca conseguiram permanecer nos seus muitos lugares por muito tempo; tipos que confessam, segundo me confirmam, para estupefacção geral, aberta e repetidamente, estar aqui apenas para completar tempos de serviço - sem perceber como isso agride directamente a dignidade de quem os contratou para fazer o papel de governanta - QZPs que encontram aqui um poiso temporário e totalmente inconsequente para as suas naturais e pubescentes angústias e nada mais.

Mas em Freixianda o descaramento e a falta de honra chega ao cúmulo do intolerável. Nomeia-se para presidente de uma CAP um boy - literalmente um rapazinho de 31 anos; um rapazinho da JS, para gerir uma escola que desconhece por inteireza. Um rapaz que diz abertamente, tolo, estar ali para pôr a "escola a funcionar". O caso de Freixianda confirma-nos algo que é doloroso aceitar. Por todos. Não há a mais pequenina intenção de trazer para as escolas alguém adequado. Qualquer um desde que disponível, serve. Bem sei que quem aceita isto tem de ter à partida uma estrutura ética muito mínima. Mas mesmo assim. Fica tão transparente como água que, para se estar numa CAP, qualquer um serve. Desde que esteja encalhado. Mesmo rapazinhos. O que me intriga, embora não me espevite, é como podem estas pessoas aceitar, interiorizar, que pertencem a esta estirpe de escolhas. Como aceitam elas saber que são escolhidas pessoas com este (insignificante) perfil para fazer este papel que os outros, os que os convidam, nunca aceitariam? Não saberão eles e elas como esta sua paupérrima decisão manchará, de uma maneira indelével, a sua dignidade pessoal, que ofendem os seus mais próximos amigos? Será esse um preço aceitável para uma pessoa de bem? Como se sentem ao descobrir que são segundas, terceiras, últimas escolhas? Que, literalmente, ninguém quis o que eles aceitaram. E que nós sabemos que assim foi porque conhecemos todos quantos antes deles recusaram o que lhes sobejou? Que aquilo que estão a comer são restos, apenas? Como se convencem eles e elas do contrário disto? Como dormem estas pessoas? Bem, não é? Nem o coração lhes bole, pois não? Nada. Nadinha de nada. Que pena. Sinceramente."

 

 

 

da frente jurídica

07.05.09

 

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Pedido De Fiscalização Abstracta Sucessiva Da Constitucionalidade Do Simplex

 

 

"Vai ser entregue no Tribunal Constitucional na próxima 6ª feira com mais de 40 assinaturas de deputados de todas as bancadas do Bloco ao CDS, passando pelo PS, embora com fraca representação do PSD. Na lista actual não vejo, por exemplo, o nome do deputado Pedro Duarte, o que causa alguma estranheza. Deve assinar ainda até final da semana, quero acreditar. Pelo menos, depois das declarações feitas - hesito sempre em falar em promessas - acharia estranho que o não fizesse.

Espera-se a possibilidade de o divulgar após a sua entrega oficial, assim como a lista de assinaturas. Sendo um acto público e político, não se está a quebrar nenhuma regra de privacidade."

Fonte: Blogue de Paulo Guinote, aqui.

 

 

para que se comece a pensar nas consequências

07.05.09

 

 

É bom que todos os professores leiam esta entrada no blogue de Ramiro Maqrques.

 

 

Ministra da Educação pretende alargar por mais dois anos o modelo de avaliação simplificada

 

"Chegaram-me informações que reputo de credíveis sobre o desejo da ministra da educação alargar o actual modelo de avaliação de desempenho simplificada (Simplex2), criado pelo decreto regulamentar 1-A/2009 , por mais dois anos. Aparentemente, a ministra da educação não tem qualquer solução para a revisão do decreto regulamentar 2/2008. Está simplesmente sem soluções mas não é capaz de reconhecer os erros e dar o braço a torcer.(...)"

 

E mais umas informações importantes. Passe pelo link e tire as suas conclusões.