Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

triste condição

23.04.09

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

Tenho uma única certeza sobre o destino e isso tanto me resigna como me remete de modo inapelável para o "carpe diem". Tento ser paciente e positivo com a vidinha. Procuro enfrentar os problemas imbuído de uma mescla de esperança e de oportunidade para construir dias melhores. E tento transmiti-lo aos que me rodeiam ou me procuram.

 

Mas não somos férreos e também nos cansamos; momentaneamente até nos apetecia partir para um qualquer lugar muito afastado das circunstâncias sociais e profissionais. Quando comecei o "correntes", recorria a um registo mais intimista. Logo que percebi que a audiência crescia todos os dias um bocadito, achei que esse modo de ser e de estar poderia constituir uma exorbitância.

 

Tinha prometido a mim mesmo, e escrevi-o por aqui, que não voltaria a debitar uma linha sobre a discussão descomunal à volta da saga dos objectivos individuais na avaliação do desempenho dos professores. Mas não resisto.

 

Assisto a um fenómeno que não me canso de repetir, mas que me enjoa sempre que me deparo com casos e mais casos: a batota, o fingimento e o faz de conta assenhoram-se de modo avassalador do processo: já só tenho dó das árvores e das máquinas de fotocópias.

 

Um governo que se prezasse deveria ter uma réstia de hombridade e pôr um fim a este "modus operandi" que nos envergonhará a todos e que é o mais vil destinatário de um qualquer futuro que queiramos construir e muito para lá de qualquer acto eleitoral; um imperativo de cidadania e de profissionalidade.

rss da educação (35)

23.04.09

  

 

(encontrei esta imagem aqui)

 

 

Escolaridade: BE vê "problema de credibilidade" no momento escolhido para anúncio

 

Ora aqui está uma questão bem elucidadiva do estado em que navega o nosso sistema escolar há muitos anos: tudo decidido a nível central, perto do debate de ideias mas também do palacianismo e da mesquinhez da capital, e muito longe do concreto. Sabe-se que estes alargamentos só têm um efeito de "pressão" pelo não abandono numa reduzida faixa da população escolar; conhece-se que esse magistério de influência deveria ter sido objecto de outras políticas, mais locais e dirigidas aos mais pequenos, como é regra nas sociedades presentes e inclusivas.

 

 

política e modernidade

23.04.09

 

“Como atribuir os direitos ao indivíduo enquanto tal, uma vez que o direito rege as relações entre diversos indivíduos, uma vez que a própria ideia do direito pressupõe uma comunidade ou uma sociedade já instituída? Como fundar a legitimidade política nos direitos do indivíduo, se este nunca existe como tal, se em sua existência social e política ele está sempre necessariamente ligado a outros indivíduos, a uma família, uma classe, uma profissão, uma nação?”.

 

Pierre Manent


 

do livro Política e Modernidade
de José Bragança de Miranda