Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

um regresso que se saúda

10.05.08






Já disse mais do que uma vez: as excelentes prosas de José Luiz Sarmento, inseridas no seu blogue "As minhas leituras", passaram a ser uma leitura obrigatória.

Desde 15 e Abril de 2008 que José Luiz Sarmento não publicava. Escrevi-lhe uns mails e, ao contrário do habitual, nem resposta recebi. Passei pela zona dos comentários e nada: nem um pequeno sinal.

Esta nova forma de comunicação pode levar a situações até aqui impensáveis. Comecei a ficar preocupado com uma pessoa com quem nunca tive o privilégio de falar pessoalmente.

Por ser também público, não resisto em publicar os motivos de José Luiz Sarmento:

"Peço desculpa pelo meu longo silêncio. Não se trata de falta de tempo, já que por razões de saúde tenho estado afastado da escola; trata-se mais de falta de paciência para chover no molhado, e também duma distância que se vai estabelecendo entre mim e a minha profissão.
Mas andava com uma fisgada há vários dias: comentar a afirmação da ministra, proferida durante uma entrevista na televisão, de que "facilitismo é chumbá-los". E esse artigo acabo de escrevê-lo."

Eis que regressou e em grande forma. Com a sua autorização, colo de seguida mais uma pérola (se passar pelo "As minhas leituras", não deixe de ler "Mil contos por aluno", "Esquerda tontinha, direita cegueta" e "Intifada"):

"Estamos a ser governados por bárbaros".


"Facilitismo é chumbá-los."

Isto disse a actual ministra da educação, textualmente, numa entrevista televisiva. E nenhum leitor de Orwell que a estivesse a ouvir deixou, com certeza, de sentir um arrepio: Peace is War, Freedom is Slavery, tudo aquilo que nos ficou no ouvido quando lemos Nineteen Eighty-Four.

"Facilitismo é chumbá-los."

O senso comum diria antes que facilitismo é passá-los sem saberem. A maioria dos professores, que na sua maior parte sabem mais de ensino do que a ministra (e alguns muito mais), tenderia a concordar neste ponto com o senso comum; outros talvez acrescentassem que facilitismo é não diversificar as escolas, os programas e os currículos de maneira a que cada aluno possa encontrar no sistema o que melhor corresponde aos seus interesses, aos seus talentos e à sua idiossincrasia. Mas é claro que para uma estrutura centralizada e massiva como o ministério da educação o que é fácil é o modelo único.

"Facilitismo é chumbá-los."

Na convicção, na certeza absoluta com que a afirmação foi feita ouvem-se os ecos de todos os fanáticos e de todos os fundamentalistas. Vem à memória a Revolução Cultural Chinesa, com a qual tantos dos nossos políticos neo-liberais simpatizaram na juventude. Num recanto qualquer da mente de Maria de Lurdes Rodrigues a condição de "intelectual" continua a ser crime: daí o seu empenho inflexível em "re-educar" os professores pelo "trabalho": quanto mais desqualificado, humilhante, exaustivo e penoso este for, mais virtuoso será, e mais revolucionário.

"Facilitismo é chumbá-los."

A dilaceração psicológica que hoje afecta os professores assemelha-se na sua índole - embora não em grau, felizmente - àquilo a que costumo chamar o dilema do guarda no campo de concentração. Imagino um jovem alemão que nos anos trinta se tenha alistado no exército e que alguns anos depois se encontre colocado, sem nunca o ter pedido, num campo de extermínio. Sabe, não pode deixar de saber, o que lá se passa. Sabe que deve obediência à hierarquia legitimamente constituída. Sabe que essa obediência contradiz frontalmente a ética militar que lhe ensinaram - um soldado não pode nem deve ser um carniceiro e não mata civis desarmados - e contradiz igualmente a moral que lhe foi ensinada pelos pais, pelos professores, pela sociedade, pela igreja, que o proíbe de matar e torturar. A quem obedece o guarda? Aos seus superiores ou à sua consciência?

"Facilitismo é chumbá-los."

Tenho o sentido das proporções. Sei que o Portugal de hoje não é a Alemanha dos anos 30. Sei que os tecno-burocratas que pululam pelos nossos ministérios não são assassinos sádicos. E os nossos governantes não são psicopatas criminosos: são apenas, mais modestamente e de modo mais vil, bárbaros deslumbrados, incapazes de distinguir entre a civilização e o espectáculo.

"Facilitismo é chumbá-los."

Mas a ignorância do bárbaro, especialmente a do que se julga dono do futuro, tem-se mostrado historicamente tão perigosa como a violência do tirano. Um professor, um bom professor, é alguém que sempre se colocou como antepara e protecção entre a civilização e a barbárie. O combate à barbárie é o centro e o fundamento da sua ética profissional, da sua razão de existir e até, muitas vezes, da sua identidade como ser humano.

"Facilitismo é chumbá-los."

Que fará um professor, um bom professor, ao ver-se obrigado a optar entre o seu dever de obediência a uma autoridade (cuja legitimidade não pode negar) que lhe impõe a barbárie como objectivo e programa, e a obediência à deontologia mais elementar da sua profissão, que o obriga a combater por todos os meios essa mesma barbárie? Temo que a maior parte faça como fez a maior parte dos guardas dos campos de concentração. Desobedecer é perigoso, obedecer é seguro. Muitos escolherão a obediência. E com essa escolha generalizada o sistema terá chegado a um patamar superior de facilitismo e decadência."


Bem haja, meu caro José Luíz Sarmento.

Sempre que o leio lembro-me de uma frase do grande Jorge Luís Borges:

"Que outros se gabem dos livros que lhes foi dado escrever;
eu gabo-me daqueles que me foi dado ler".


the wall

10.05.08

 

Uma das músicas que mais tenho ouvido. São seis minutos mas penso que vale. Até pode clicar e continuar a navegar pelo blogue.

 

Ora clique.