Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

duas noites de jazz

17.04.08


Passei duas belas noites a ouvir jazz em Valado de Frades. O festival regressou ao renovado espaço da biblioteca, mais pequeno mas mais afável, e manteve a mesma atmosfera entusiasmante.

Gosto sempre de ouvir jazz ao vivo. Raramente saio aborrecido e, mesmo quando a coisa começa a repetir-se em demasia, nunca perco o optimismo. Sou um cliente muito pouco exigente.

José Salgueiro, um dos meus percussionistas de eleição, tocou em ambas as noites. Esteve bastante melhor na primeira. Acompanhado por Carlos Barreto (contrabaixo) e por Miguel Martins (guitarra), o genial baterista teve alguns momentos altos e manteve-se atento e muito colaborante. Deu para matar saudades. Carlos Barreto, com um parco recurso ao arco, mas quando o fez arrancou uma sonoridade de rara beleza, dedilhou com mestria e combinou na perfeição com o duo que o acompanhava. Foi a segunda vez que ouvi Miguel Martins, um guitarrista muito bom. Esteve quase perfeito. E digo quase, porque por uma ou outra vez, raras é certo, arrancou aquelas distorções que paralisam a minha audição. Problema meu, sei bem disso, mas desgosta-me esse tipo de excesso dos guitarristas quando ouço jazz. Uma noite plena e muito conseguida.

Na segunda noite, José Salgueiro esteve distante. Nem parecia o mesmo. Esteve completamente discreto e apenas num dos encores, foram três, deu um ar da sua graça. Teria de ser mesmo assim?
Carlos Bica, um contrabaixista que faz da utilização do arco a parte maior da sua actuação impressionou-me. Um grande profissional. O pianista, João Paulo Esteves da Silva não destoou, bem pelo contrário, e Mário Delgado esteve muito bem. Bem melhor do que é costume, para o meu referido gosto, claro. O guitarrista com mais pedais de distorção que já tive oportunidade de ver, esteve muito comedido nesse aspecto. E ganhou o concerto. Tocou-se muita música dos álbuns de Carlos Bica, fez-se umas incursões pelo Tango e pelo Rock, e na globalidade resultou bem.

Nenhuma das noites foi inesquecível mas valeu a pena. Esta semana voltam os concertos. Tenho agendado o concerto de Sérgio Carolino, o homem da tuba - vão ser três tubas em palco - e espero não faltar.