Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

silêncio dos inocentes

23.10.07

 






Ouvi falar numa docente que continuava a leccionar em condições de saúde muito precárias, mas estava longe de imaginar o que viria a passar-se a seguir. A "incómoda" comunicação social pegou no caso e "obrigou" a Ministra da Educação a resolver o problema da infeliz professora. Concluiu-se que a Ministra de nada sabia, como é evidente, e que os diversos serviços - junta médica da caixa geral de aposentações, inspecção-geral da educação, delegação regional do ministério da educação e responsáveis escolares - "apenas" cumpriam de modo zeloso a lei.

Mais um tópico a acrescentar ao importante debate sobre o papel do quarto poder numa democracia mediatizada.

Não concordo com a conclusão de que "os diversos serviços apenas cumpriam zelosamente a lei": conhecemos casos e mais casos em que as questões são outras: vemos o inadaptado temor dos responsáveis onde deveríamos ver o exercício corajoso de uma autonomia responsável e nunca decretada; vemos mesquinhez e incompetência em vez de descrição e profissionalismo; vemos pequenos poderes preenchidos por tiranos inúteis e pouco esclarecidos em vez de termos de lidar com lideranças civilizadas e competentes; vemos centralismo acéfalo e castrador em vez de nos confrontarmos com decisões assentes no exercício de uma cidadania esclarecida, limpa e assumida; enfim.

Mas ainda pior, embora estas matérias não possam nem devam ser quantificadas, do que a situação que relatei, é a dos "inocentes" que, não tendo voz, se vêem alvo de processos silenciosos que destroem as suas vidas no universo menos "visível" dos seus corpos: o da personalidade e da condição psicológica. Os processos semelhantes aos que de modo tão genial Franz Kafka nos relatou, continuam presentes na nossa sociedade. Envergonham-nos e remetem-nos para níveis que tipificam as sociedades não democráticas. Sabemos muito sobre a condição humana, é certo, mas também é seguro que a democracia nasceu para servir os homens todos. Sabemos que o difícil e exigente exercício democrático obriga à leitura atenta de Amos Oz e à contenção que, tantas vezes objecto de incompreensão precoce, tem de substituir a vontade de prepotência que espreita a cada esquina: "nada que é humano nos deve ser estranho".
 
Estes casos merecem uma atenta reflexão e uma pronta denuncia: o exercício da democracia tem de ser diário e na área de intervenção de cada um de nós, mesmo considerando que "a condição soberana do saber é o silêncio", Ibn Almuqaffa, Pérsia, 721-757, em Kalila e Dimna.